Rádio Observador

Seleção Nacional

Fernando Santos reconhece: “Temos de ser mais agressivos e criar mais situações de perigo”

"Com a Ucrânia, a equipa circulou bem a bola, mas muito atrás. Temos também que ser mais rápidos e mais fortes na pressão", disse o selecionador, que quer "ganhar todos os jogos" que aí vêm.

O treinador contará com a ajuda de Cristiano Ronaldo para "criar mais situações de perigo" no jogo com a seleção Sérvia do que as criadas frente à seleção da Ucrânia. Este último jogo terminou 0-0

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Fernando Santos lembrou este domingo que Portugal venceu todos os jogos nas duas últimas fases de qualificação, após ter começado a perder, e considerou que a Sérvia vai estar mais “fresca”, no jogo de apuramento para o Euro2020 de futebol.

“O jogo com a Sérvia seria sempre importante, independentemente do resultado com a Ucrânia (0-0). Se pegamos tanto no passado, em que não vencemos nas estreias, então vamos por aí e vamos pensar que ganhámos todos os jogos depois disso. Foi isso que aconteceu e é isso que queremos”, afirmou Fernando Santos.

O selecionador português falava aos jornalistas, na Cidade do Futebol, em Oeiras, na conferência de imprensa de antevisão do embate da segunda jornada do Grupo B, com a Sérvia, agendado para segunda-feira, no Estádio da Luz, em Lisboa.

“O resultado com a Ucrânia não foi o que desejávamos, mas alterações que podem acontecer na equipa titular poderão ser sobretudo devido ao aspeto físico dos jogadores. (…) A Sérvia não jogou há dois dias, como nós. Estará mais fresca. Jogou na quarta-feira num jogo não oficial”, referiu o técnico de 64 anos.

Frente aos sérvios, Fernando Santos quer ver uma seleção portuguesa mais agressiva no momento ofensivo e a criar ainda mais pressão sobre os seus adversários.

“Temos de ser mais agressivos” no ataque

“Com a Ucrânia, a equipa circulou bem a bola, mas muito atrás. Temos de ser mais agressivos e criar mais situações de perigo. Temos que também ser mais rápidos e mais fortes na pressão, para obrigar o adversário a falhar”, disse.

O selecionador nacional, que levou Portugal à conquista do Euro2016, considerou Ucrânia e Sérvia são equipas “semelhantes”, embora o rival de segunda-feira tenha outros argumentos no ataque.

“São equipas com jogadores que gostam de ter bola, não são equipas do pontapé para a frente. A Sérvia tem jogadores rápidos, que saem bem para o ataque. Com espaço, podem ser muito perigosos, por isso temos de tapar os espaços”, revelou.

Fernando Santos abordou ainda a questão física de João Félix, que, no treino da manhã deste domingo, abandonou o relvado da Cidade do Futebol ainda antes do treino começar, com queixas num pé.

“Até hoje, não tinha apresentado qualquer queixa. Foi para o treino normalmente e, ao bater numa bola, sentiu um desconforto no pé. Não é nada preocupante, de acordo os médicos, mas só amanhã (segunda-feira) é que vamos saber se estará disponível. É uma situação 50/50. Vamos ver o que acontece”, concluiu.

A seleção portuguesa, detentora do título, estreou-se na fase de qualificação com uma igualdade 0-0 na receção à Ucrânia, na sexta-feira, em encontro disputado igualmente no Estádio da Luz.

O Grupo B, composto por cinco equipas, é para já liderado pelo Luxemburgo, com três pontos, após a vitória sobre a Lituânia (2-1), enquanto Portugal e Ucrânia seguem com um, à frente de Sérvia, que ainda não se estreou, e dos lituanos.

O jogo frente à Sérvia está agendado para as 19:45 e será dirigido pelo polaco Szymon Marciniak.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)