Rádio Observador

Seleção Nacional

Fernando Santos reconhece que “situação não é favorável” mas há uma ressalva: Portugal tem o playoff garantido

106

Portugal leva dois pontos em dois jogos e Fernando Santos explica que "situação não é favorável" mas existe um parêntesis: Portugal tem o playoff de acesso ao Euro garantido devido à Liga das Nações.

O selecionador português foi convidado pelo árbitro para analisar o lance do eventual penálti na cabine

EPA

Na passada sexta-feira, quando Portugal empatou com a Ucrânia na estreia no apuramento para o Campeonato da Europa 2020, os números eram claros e descansavam a grande maioria dos portugueses: depois de um resultado menos positivo no arranque de uma qualificação, a Seleção Nacional respondia normalmente com uma vitória no encontro seguinte. Esta segunda-feira, contra a Sérvia de Tadic, Portugal precisava dos três pontos não só para agarrar um lugar junto ao topo do Grupo B mas também para descansar até setembro, altura da próxima dupla jornada do apuramento.

Tudo falhou. Desde a história, que não acertou na bonança depois da tempestade; aos jogadores portugueses, a quem faltou acerto no remate ou no passe decisivos; até à teoria, que não acertou na ideia de que a Seleção Nacional era superior à Sérvia. Portugal voltou a empatar, desta vez com um golo para cada lado, e terminou os dois primeiros jogos da qualificação para o Campeonato da Europa 2020 sem vitórias: algo que não acontecia desde o apuramento para o Euro 2012. Aliás, esta foi já a sexta vez que a seleção portuguesa terminou a dupla jornada inicial de um apuramento sem ganhar e, nessas seis ocasiões, só garantiu a presença na respetiva fase final uma vez (precisamente em 2012).

Contas feitas, e tendo em conta que a Ucrânia foi a Luxemburgo vencer (1-2), os ucranianos estão no primeiro lugar do Grupo B, com quatro pontos. A seleção luxemburguesa segue no segundo posto, com três pontos, e Portugal está em terceiro com dois pontos conquistados — mas com mais um jogo do que a Sérvia e a Lituânia. Quer isto dizer que a seleção portuguesa tem uma margem praticamente nula até ao final do apuramento mas tudo isto tem uma ressalva importante: aconteça o que acontecer e mesmo que não consiga o apuramento direto através da fase regular, Portugal está automaticamente apurado para o playoff de acesso ao Euro por ter ficado no primeiro lugar no grupo da Liga das Nações.

Ainda assim, a verdade é que Fernando Santos alcançou o pior registo desde que é selecionador nacional — quatro jogos sem ganhar –, numa série sem vitórias que não acontecia desde 2012/13, quando era Paulo Bento o líder da Seleção. Na flash interview já após o final do jogo, Fernando Santos reconheceu que “a situação não é favorável” mas lembrou que a equipa “tem qualidade, raça e crer”. “É normal não ser totalmente esclarecido, até pelo cansaço. Nesta fase final sentiu-se isso mesmo. Tentei pedir calma e para a equipa se encontrar, para continuar a pressão, mas estávamos sujeitos às saídas conforme se viu. Ainda assim, encurralámos a Sérvia lá atrás, mas não marcámos”, explicou o selecionador nacional, que garantiu ainda que Portugal vai “chegar e lutar para vencer” nos seis encontros que restam no apuramento e continuar “com o mesmo espírito e trabalho”.

Fernando Santos comentou ainda o lance do minuto 73, quando o árbitro Szymon Marciniak assinalou grande penalidade por mão na bola do sérvio Rukavina após um cabeceamento de André Silva mas acabou por voltar atrás após consultar o fiscal. Na flash interview, o selecionador nacional revelou que Marciniak o convidou para ir à cabine rever a jogada e acabou por pedir desculpa ao treinador português. “Convidou-me a ir à cabine para analisar o lance. Vimos e não tivemos dúvidas. Nem eu, nem ele. Depois pediu desculpa pelo penálti, que não tinha dúvidas. Mas a desculpa não me serve de nada. Disse que não foi culpa dele. Ele marcou penálti…mas ninguém a 40 metros pode dar a indicação de algo que não é, especialmente quando o árbitro vê. O que vou fazer com a desculpa? Estava lá o assistente e eu disse que a culpa era dele”, afirmou Fernando Santos, que defendeu ainda que “temos de ter VAR em todos os jogos”.

Também Cristiano Ronaldo, que saiu durante a primeira parte devido a lesão e não escondeu a revolta junto à linha técnica quando a decisão sobre o penálti foi revertida, defendeu que a grande penalidade era “claríssima mas o árbitro não deu ou não viu”. “O árbitro devia ter dado penálti. Tive a oportunidade de falar com ele no túnel e assumiu o erro, mas o fiscal está a 40 metros e toma a decisão pelo árbitro…por amor de Deus”, disse o capitão da Seleção Nacional, que ressalvou ainda que não está “preocupado” com a lesão que o obrigou a ser substituído ainda no primeiro tempo. “Conheço o meu corpo. Acontece, é futebol, quem anda à chuva, molha-se. Estou tranquilo porque sei que volto bem daqui a uma, duas semanas”, disse o avançado da Juventus.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)