Foi feita em vários países em simultâneo e teve como principal objetivo transmitir “um forte sinal” a todos aqueles que usam a Dark Web para vender droga, armas e produtos ilícitos. A operação policial, que em Portugal foi feita pela Polícia Judiciária e que contou com a colaboração da Europol, terminou em fevereiro com 61 suspeitos detidos, a desativação de 50 contas usadas na venda de produtos ilegais e a apreensão de quase 300 quilos de droga e de 6,2 milhões de euros.

Segundo o comunicado enviado esta terça-feira pela PJ, em Portugal, na sequência desta ação, foram abertos ainda 13 novos processos, cujas investigações levaram à detenção de cinco suspeitos de tráfico de droga. A PJ apreendeu ecstasy e LSD,

“[Na União Europeia, nos Estados Unidos e no Canadá] foi possível proceder à detenção de um total de 61 suspeitos bem como à desativação de 50 contas de Dark Web utilizadas em variadas atividades ilícitas, procedendo-se, ainda, à apreensão de cerca de 295,5 kg. de diversos tipos de drogas e de mais de 6,2 milhões de euros, dos quais cerca de 4 milhões em cripto moedas, 2,2 milhões em dinheiro vivo e 35.000 euros em ouro”, lê-se no comunicado.

A Dark Web, explica a PJ em comunicado, é uma parte da internet apenas acessível através de software específico, como o TOR (The Onion Router). Embora seja um espaço de privacidade e liberdade tem sido usado para atividades ilícitas por suspeitos em todo o mundo. As autoridades lembra que, além dos suspeitos, os próprios clientes correm riscos ao adquirir produtos por esta via. Isto porque ao comprar, o cliente fornece dados “a terceiros desconhecidos, inclusive a criminosos”, e expõe os seus telemóveis, computadores e tablets “ao mais  diverso tipo de software malicioso”.

Podem receber em casa, depois de efetuarem o pagamento, produtos contrafeitos ou absolutamente nada, drogas que podem matar, armas defeituosas ou diversos tipos de serviço de cibercriminalidade que as vão prejudicar”, lemvra a PJ.

Segundo a Europol, as investigações a nível internacional começaram ainda em 2018 quando foram detetados 247 alvos suspeitos por um grupo de trabalho que envolveu 60 peritos de 19 países diferentes. A Eurojust e a Europol procuravam negócios suspeitas de produtos contrafeitos, de droga, documentos, armas, explosivos e até de tráfico humano.