Rádio Observador

Bombeiros

Especialista defende melhor qualificação dos comandos de bombeiros

235

O especialista em incêndios Domingos Xavier Viegas defendeu "em termos gerais, os quadros de comando não garantem, que tenham formação e qualificação adequada".

O técnico falou na fase de inquirição do processo do incêndio de Pedrógão Grande, que decorre no Tribunal de Leiria,

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O especialista em incêndios Domingos Xavier Viegas defendeu esta terça-feira uma melhor qualificação e formação dos comandos de bombeiros do país e um apoio maior à tomada de decisões.

Após o seu depoimento enquanto técnico especialista na fase de inquirição do processo do incêndio de Pedrógão Grande, que decorre no Tribunal de Leiria, Domingos Xavier Viegas disse aos jornalistas que “em termos gerais, os quadros de comando não garantem, pelo sistema que existe, que tenham formação e qualificação adequada para estar à frente de qualquer incêndio”.

O sistema de qualificação e formação dos nossos bombeiros tem de ser melhorado, no sentido de que devemos saber em cada caso que qualificações é que determinado comandante tem, para que nível de dificuldade de incêndio é que está apto a comandar e se não tiver condições deve ser chamada outra pessoa ou ser apoiado na tomada de decisão por todo um sistema que está por detrás dele”, acrescentou Domingos Xavier Viegas.

O professor da Universidade de Coimbra esclareceu ainda que “há incêndios com graus de dificuldade e perigosidade tais que exigem recursos que não estão sempre garantidos”.

“A nossa opinião é que um incêndio destes [Pedrógão Grande] não se comanda apenas por uma pessoa e julgo que isso falhou também. Isso é um processo que ainda temos de melhorar no nosso país”, frisou.

Durante o seu depoimento ao juiz de instrução, Xavier Viegas considerou que a falta de gestão de combustível, sobretudo em alguns troços, foi preponderante para as mortes na estrada 236-1, onde se registaram várias vítimas.

“Naquele troço da estrada, a presença daquelas árvores, mesmo encostadas aos ‘rails’, terão produzido condições de calor, que tornaram a presença das pessoas impraticável. Houve uma árvore que caiu na estrada que impediu a circulação e terá impedido a fuga de algumas das pessoas que vieram a perder a vida”, disse.

Domingos Xavier Viegas relatou que as árvores no local provocaram “uma radiação e uma concentração tão grandes que fez com que as pessoas que saíam dos carros começassem a arder”.

O especialista concretizou que se o pinheiro não tivesse na estrada não teria impedido a circulação de pessoas e as vítimas teriam conseguido sair do local.

A falta de meios e comunicações foram também abordados pelo técnico na sua inquirição. Domingos Xavier Viegas admitiu que se os meios tivessem sido reforçados algumas mortes poderiam ter sido evitadas.

“Admito que sim, sobretudo na fase inicial. Estamos a falar, sobretudo, do incêndio de Pedrógão que teve duas ignições. Se tivesse havido mais recursos para o combater [incêndio de Regadas], naquelas primeiras duas a três horas, teria sido possível um desfecho diferente”, adiantou.

Além disso, disse ao juiz, se o incêndio de Regadas tivesse sido tratado como uma nova ignição, teria tido mais meios “que estavam a ser desviados para Góis”, embora admita que no terreno era “difícil” ter essa perceção.

O especialista sublinhou ainda que o incêndio atingiu o período crítico entre as 19:00 e as 20:00.

“Enfrentar o incêndio era praticamente impraticável e perigoso. Confirmo que não haveria nada a fazer”, sublinhou.

Por outro lado, a falta de comunicações e o corte de estradas poderá ter “dificultado a chegada de alguns meios de socorro, nomeadamente ambulâncias e recursos médicos”.

“As [falta] comunicações foram cruciais. Das 66 vítimas que este incêndio causou estamos convictos que talvez se pudessem ter evitado umas cinco ou seis mortes”, garantiu.

São arguidos neste processo 13 pessoas, incluindo os presidentes dos municípios de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande em funções à data dos factos: Fernando Lopes, Jorge Abreu e Valdemar Alves, respetivamente.

Estão acusados de dezenas de crimes de homicídio por negligência e de ofensa à integridade física por negligência.

O grande incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017 em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a municípios vizinhos, nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, e destruiu cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)