Moçambique

FMI estuda empréstimo de emergência a Moçambique

573

O FMI vai prestar a ajuda a Moçambique através do Instrumento de Crédito Rápido, um mecanismo instituído pela organização para atender a situações de emergência nos seus países membros.

O número de vítimas mortais do ciclone Idai e das cheias que se seguiram no centro de Moçambique subiu esta terça-feira para 468

TIAGO PETINGA/EPA

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou esta terça-feira que está a estudar um financiamento de emergência a Moçambique entre 60 milhões e 120 milhões de dólares, para que o país enfrente os efeitos do ciclone Idai.

“Os valores [a emprestar] seriam algo entre 60 milhões de dólares [53,1 milhões de euros] e 120 milhões de dólares [106 milhões de euros]”, mas “dada a magnitude do que aconteceu, aqui, a minha expectativa é que seja o valor mais alto, de 120 milhões de dólares”, disse, em conferência de imprensa em Maputo, o chefe de missão do FMI para Moçambique, Ricardo Velloso.

O FMI vai prestar a ajuda através do Instrumento de Crédito Rápido, um mecanismo instituído pela organização para atender a situações de emergência nos seus países membros. “Este instrumento é exatamente [para acorrer] a uma situação de emergência, uma situação muito grave, que cria grandes problemas para o país”, assinalou.

Ricardo Velloso adiantou que a missão do FMI de avaliação do impacto do ciclone vai estender a sua presença em Moçambique até sexta-feira, para fazer uma avaliação preliminar dos efeitos da calamidade. “Embora ainda seja cedo para serem avaliados os efeitos macroeconómicos do ciclone Idai, os custos de reconstrução serão muito significativos, a comunidade internacional terá de continuar a desempenhar um papel vital na prestação de assistência a Moçambique”, afirmou, na declaração que leu antes das perguntas dos jornalistas.

Já na fase de respostas às questões colocadas pela comunicação social, o chefe de missão do FMI para Moçambique destacou que o ciclone Idai vai afetar negativamente os indicadores macroeconómicos do país para este ano, principalmente a inflação. “A calamidade, claramente, vai afetar negativamente o crescimento económico este ano, muito provavelmente, vai haver um impacto negativo sobre a inflação”, declarou Ricardo Velloso.

Ricardo Velloso esclareceu que a ajuda de emergência devido ao ciclone Idai não significa a retomada do programa de assistência financeira a Moçambique, pois este mecanismo só será estudado com o novo Governo que vai sair das eleições gerais de 15 de outubro.

O FMI suspendeu a assistência financeira a Moçambique em 2015, na sequência da descoberta das dívidas ocultas. “Continuamos a achar que o melhor momento para esse tipo de conversa será a partir das eleições, para ver o tipo de políticas fiscais, monetárias e estruturas do novo Governo”, sublinhou Ricardo Velloso.

O número de vítimas mortais do ciclone Idai e das cheias que se seguiram no centro de Moçambique subiu para 468, anunciaram esta terça-feira as autoridades moçambicanas. A informação foi prestada pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e representa um acréscimo de 21 mortos em relação aos dados de segunda-feira.

Os centros de acolhimento continuem a receber pessoas afetadas pelo Idai e registam um total de 127.000 entradas. O número de pessoas afetadas pelo ciclone subiu para 797.000, sendo que este total de pessoas afetadas não significa que estejam em risco de vida. São pessoas que perderam as casas ou que estão em zonas isoladas e que precisam de assistência, explicaram as autoridades. O número de meios de socorro também continua a aumentar e ascende agora a 22 helicópteros, 37 barcos, 11 aviões e duas fragatas.

[Exército português apoia aldeias isoladas de Moçambique]

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)