Banca

Lucros do Grupo Crédito Agrícola descem 26% para 112,5 milhões de euros em 2018

Na apresentação dos resultados, em Lisboa, o presidente do grupo, Licínio Pina, justificou a descida do resultado consolidado por em 2017 ter havido uma importante venda de dívida pública.

O Crédito Agrícola fechou 2018 com 657 agências, menos 12 do que no ano anterior, tendo destacado hoje Licínio Pina que é o grupo bancário com maior rede de retalho comercial

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Grupo bancário Crédito Agrícola teve lucros de 112,5 milhões de euros em 2018, menos 26% do que os 152,1 milhões de euros de 2017, segundo as contas do ano passado divulgadas esta terça-feira.

Na apresentação dos resultados, em Lisboa, o presidente do grupo, Licínio Pina, justificou a descida do resultado consolidado por em 2017 ter havido uma importante venda de dívida pública, que melhorou o resultado de então.

Os resultados de operações financeiras foram de 24,6 milhões de euros em 2918, abaixo dos 113,3 milhões de euros de 2017. Já o produto bancário recorrente, acrescentou o presidente do Crédito Agrícola, aumentou 37,3 milhões de euros para 486,2 milhões de euros.

O Crédito Agrícola fechou 2018 com 657 agências, menos 12 do que no ano anterior, tendo destacado hoje Licínio Pina que é o grupo bancário com maior rede de retalho comercial.

Crédito Agrícola aguarda que Governo lhe devolva 200ME do seu Fundo de Garantia

O Crédito Agrícola espera há quatro anos que o Governo lhe devolva 200 milhões de euros do seu Fundo de Garantia, na parte referente à solvabilidade das caixas, disse ainda esta terça-feira o presidente do grupo bancário, Licínio Pina.

Segundo o responsável, com a decisão de há quatro anos de passar o Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo para o Fundo de Garantia de Depósitos — que garante os depósitos de todos os bancos –, a parte do fundo do Crédito Agrícola que garante a solvabilidade das caixas tem de ser devolvida ao Crédito Agrícola, o que corresponde a 200 milhões de euros.

“Já devia ter sido o ano passado, já o ano passado diziam [as Finanças que era nesse ano]”, afirmou o presidente da Caixa Central de Crédito Agrícola, em conferência de imprensa, em Lisboa. Segundo o responsável, o Governo tem de devolver ao Crédito Agrícola a parte que garante a solvabilidade das caixas, cerca de 200 milhões de euros, passando para o Fundo de Garantia de Depósitos os 100 milhões de euros que tem o fundo do Crédito Agrícola para proteção dos depositantes.

No total, o Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo tem 300 milhões de euros, 100 milhões de euros da vertente de proteção de depósitos e 200 milhões da componente que protege a liquidez e solvabilidade das caixas.

Segundo Licínio Pina, quando foi decidida a incorporação do fundo do Crédito Agrícola no perímetro público o que houve foi “o público a absorver um bem privado” e desde então o grupo bancário não pode usar esse dinheiro nas caixas com problemas, uma vez que se “fosse utilizado seria considerado ajuda pública”. “Temos um fundo para o qual contribuímos e não podemos usar”, vincou.

Atualmente, a Caixa Central de Crédito Agrícola está a intervir em cinco caixas com problemas e, segundo Licínio Pina, perante a “necessidade de ‘revolving’ de alguma dívida” esse dinheiro podia ser útil, mas uma vez que seria ajuda pública terão de ser “encontrados outros instrumentos internos para resolver essas questões”.

A devolução de 200 milhões de euros ao Crédito Agrícola deverá ter impacto nas contas públicas, uma vez que o fundo de garantia do grupo bancário consolida nas contas públicas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)