Rádio Observador

Festivais

Festival O Sol da Caparica regressa de 15 a 18 de agosto com novo promotor

A Câmara Municipal de Almada anunciou ter assinado um protocolo com a empresa Conquista Padrão para a realização da 6.ª edição do festival O Sol da Caparica, a decorrer de 15 a 18 de agosto.

TIAGO PETINGA/LUSA

A Câmara Municipal de Almada anunciou ter assinado um protocolo com a empresa Conquista Padrão para a realização da 6.ª edição do festival O Sol da Caparica, a decorrer de 15 a 18 de agosto.

A contratação pública para a adjudicação da 6.ª edição do festival O Sol da Caparica finalizada hoje com aquela empresa pertencente ao Grupo Chiado, no montante de 70.000 euros, permite “uma poupança significativa de fundos públicos, que serão canalizados para investimento noutras áreas estratégicas, sociais, culturais e turísticas”, refere um comunicado da autarquia presidida pela socialista Inês de Medeiros.

“Os princípios associados à realização desta 6.ª edição d’O Sol da Caparica mantêm-se inalterados — a promoção da Costa da Caparica bem como da música dos países de língua oficial portuguesa”, lê-se num comunicado daquela autarquia.

A Câmara Municipal de Almada refere ainda ser “com grande alegria” que anuncia a realização da 6.ª edição do festival, cujo cartaz “corresponde” ao objetivo de sempre do município.

Receber em Almada um dos maiores eventos musicais do país, que aposta na promoção da língua portuguesa, acompanha os nossos artistas, jovens e consagrados, fortalece os laços com toda a comunidade de países de língua portuguesa e reafirma Almada e a Costa da Caparica como terra de cultura, dinâmica e inovadora, terra de bem estar e gente boa” é, para Inês de Medeiros, o objetivo do certame.

A 6.ª edição de O Sol da Caparica será realizada em parceria com a Storm Productions, sendo o cartaz oficial anunciado em breve, acrescenta o comunicado.

No passado dia 14, a autarquia de Almada revelou ter um prejuízo acumulado de perto de cinco milhões de euros com a realização de cinco edições do festival O Sol da Caparica, o que a levou a procurar um novo promotor.

Em declarações à agência Lusa, fonte do município adiantou que, na edição realizada em 2018, a câmara investiu 1,7 milhões de euros e que as receitas foram de 765 mil euros, o que representou um prejuízo de cerca de 962 mil euros.

“Considerando que, desde 2014, decorreram cinco edições, estaremos a falar de um prejuízo acumulado de perto de cinco milhões de euros”, explicou a mesma fonte.

O prejuízo total será, todavia, superior àquele montante, uma vez que nele não estão contabilizados os custos relativos às cedências do espaço para a realização do evento, de espaços públicos para a promoção do festival, de escritórios durante todo o ano à empresa organizadora, de utilização de material informático e de escritório, os consumos de água e eletricidade nem a utilização de funcionários da autarquia para montagem, preparação e limpeza do espaço, sublinhou.

Desta forma, o “avultado prejuízo” com a realização do festival foi determinante para que a autarquia decidisse “deixar de assumir integralmente os custos”.

Dias antes, a autarquia avançara à Lusa que O Sol da Caparica iria regressar este ano, mas que estava à procura de um novo promotor.

A organização do festival estava a cargo da AMG Music, mas o contrato com a empresa terminou este ano e, tendo em conta os resultados obtidos, a Câmara de Almada “só poderia voltar a contratar um produtor por procedimento público”, referiu na mesma altura.

Ainda assim, o município realçou que a ex-empresa organizadora “foi consultada no âmbito do procedimento público de contratação”.

Numa nota enviada à Lusa, a AMG Music esclareceu que foi convidada pela autarquia para uma consulta prévia ao procedimento público de contratação, mas optou por não apresentar qualquer proposta.

“A AMG Music não apresenta proposta para este caderno de encargos. É nossa convicção, que o modelo proposto e condições oferecidas de exploração do Festival o Sol da Caparica não permite alcançar, com qualidade e eficácia, a exemplo dos anos anteriores, os resultados positivos deste Festival criado por nós para a Câmara Municipal de Almada”, lia-se na resposta da empresa à autarquia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)