Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um barco que resgatou mais de uma centena de migrantes no Mar Mediterrâneo foi sequestrado pelos próprios migrantes resgatados, que não queriam regressar à Líbia, para onde a embarcação os deveria levar de volta.

Os migrantes tomaram o controlo do barco e obrigaram o comandante a seguir viagem para Malta ou para Lampedusa (Itália), garantindo assim o desembarque em território europeu.

A embarcação, de um proprietário turco e com bandeira de Palau, estava no Mar Mediterrâneo quando detetou um bote com 108 migrantes que haviam fugido de um campo de refugiados na Líbia, saindo em auxílio daquelas pessoas.

A tripulação do barco prestou cuidados de saúde aos migrantes e depois informou-os de que iriam dirigir-se à Líbia para os deixar no país de onde tinham partido. Foi nesse momento que os refugiados se amotinaram e tomaram o controlo do barco pela força.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A informação foi prestada à imprensa pelas autoridades italianas, que estão a monitorizar a rota do barco, que voltou repentimente para norte quando já se encontrava a cerca de 11 quilómetros do porto de Tripoli.

A ONG italiana Mediterranea Saving Humans tem estado a acompanhar a situação e tentado sensibilizar os países europeus para que acolham o barco.

“O navio El Hiblu 1 dirige-se para o norte com pessoas que fogem dos acampamentos da Líbia em busca de refúgio. Artigo 33 Convenção de Genebra: nenhum Estado deve expulsar ou rejeitar de qualquer forma um refugiado nas fronteiras dos territórios onde a sua vida ou liberdade seja ameaçada”, escreveu a ONG no Twitter.

“Os governos que afirmam que o navio entregue os náufragos no porto da Líbia cometem um crime, bem como um ato desumano. Convocamos as instituições europeias a não virarem a cabeça para outro lado e a ajudarem as pessoas que fugiram dos campos de concentração da Líbia”, acrescentou a organização.

A ONG exige que seja “imediatamente designado um porto seguro num país europeu” onde os migrantes possam desembarcar e onde lhes sejam garantidos os “direitos humanos fundamentais”.

Mas o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, já veio rejeitar a possibilidade de o navio desembarcar em Itália. “Podem esquecer a ideia de vir para Itália. É óbvio que não se trata de náufragos pobres, mas sim de tráfico criminoso de seres humanos que estão a sequestrar embarcações privadas”, afirmou Salvini, através do Facebook.