Rádio Observador

Violência

Uma em cada 10 crianças da área Metropolitana do Porto é vítima de violência grave

1.366

O estudo que acompanha crianças do Porto desde o nascimento indica que cerca de 75% dos menores com sete anos de idade são vítimas de agressão psicológica e de castigos corporais.

O estudo conclui ainda que a violência sobre as crianças é menos frequente nas famílias monoparentais do que nas biparentais

LUSA

Uma em cada 10 crianças da Área Metropolitana do Porto é vítima de violência grave, o que afeta o funcionamento do sistema imunitário, de acordo com um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP).

O estudo no âmbito do projeto Geração XXI, que acompanha crianças da Área Metropolitana do Porto desde o nascimento indica que cerca de 75% dos menores com sete anos de idade são vítimas de agressão psicológica e de castigos corporais.

Segundo o estudo, adiantado esta quarta-feira pelo JN (edição de impressa), 10% dos menores (que foram sujeitos a testes psicológicos para medir o nível e a frequência dos maus-tratos físicos a que são sujeitas) sofreram agressões graves (como bater com cinto ou objeto duro ou queimar) com frequência.

Na investigação, o Instituto cruzou os dados sobre agressões com a análise ao sangue das crianças, nomeadamente com o valor da proteína C-Reativa, que serve de indicador sobre o nível inflamatório do organismo.

O presidente do ISPUP, Henrique Barros, disse ao JN que “as crianças que no dia a dia experienciam formas de disciplina parental mais violenta vivem numa situação de tempestade inflamatória que lhes vai causar doença na vida adulta”.

Segundo o responsável, estas crianças estão inseridas no grupo de maior risco de virem a desenvolver doenças cardiovasculares, metabólicas, hipertensão, entre outras.

Os resultados do estudo, que vai ser publicado em breve numa revista científica, indicam que entre as crianças de sete anos que sofrem castigos corporais, 58% apresentam valores de inflamação elevados, quase o dobro das que não são vítimas de maus-tratos.

O estudo conclui ainda que a violência sobre as crianças é menos frequente nas famílias monoparentais do que nas biparentais.

As mães que foram vítimas de violência doméstica durante a gravidez batem mais nos filhos (13%) do que as que não foram expostas a maus tratos (7%)”, indica o estudo.

A investigação conclui também que as crianças cujos pais têm mais escolaridade, de profissões mais qualificadas e rendimentos mais altos reportaram mais agressões psicológicas e castigo corporal.

As formas de violência mais graves são mais frequentemente reportadas pelos filhos de pais com posição socioeconómica mais baixa”, conclui ainda o estudo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)