Rádio Observador

Tribunal

Diretor de comunicação do FC Porto vai a tribunal falar do acesso a e-mails do Benfica

458

Francisco J. Marques vai explicar ao Tribunal Central Cível do Porto, a 10 de abril, como é que o clube recebeu, selecionou e divulgou os e-mails privados do Benfica.

O Tribunal Central Cível do Porto está a julgar desde o início de março a ação em que o Benfica reclama uma indemnização a empresas e figuras do universo do FC Porto pela divulgação de e-mails internos

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, vai explicar ao Tribunal Central Cível do Porto, na tarde de 10 de abril, como é que o clube recebeu, selecionou e divulgou os e-mails privados do Benfica. O pedido para um “depoimento de parte” de Francisco J. Marques enquanto réu do processo movido pelo Benfica pela divulgação dos e-mails foi feito esta sexta-feira pela própria equipa de advogados do FC Porto e não mereceu oposição do Benfica, pelo que foi deferida pelo juiz do processo.

Depois do testemunho de Francisco J. Marques, terão lugar as alegações finais. A matéria a abordar pelo diretor de comunicação do FC Porto é similar à analisada hoje por outra figura do universo ‘azul e branco’, o colaborador da empresa FC Porto Média Diogo Faria, que depende hierarquicamente do próprio Francisco J. Marques e com quem colaborou na escrita do livro O Polvo Encarnado.

Diogo Faria disse hoje ao tribunal que só ele e Francisco J. Marques tinham acesso aos e-mails internos do Benfica e afirmou que usavam para o efeito um computador do FC Porto, que não estava ligado à rede interna do clube e do qual apenas eles conheciam a senha de acesso. “Só nós tínhamos acesso ao computador onde essa informação estava armazenada. O computador servia exclusivamente para isso e estava numa sala fechada de que só nós dois tínhamos a chave”, declarou.

No âmbito deste processo, Diogo Faria analisou, por incumbência do diretor de comunicação, pelo menos 20 gigabits de correio eletrónico do Benfica para, segundo assinalou, procurar indícios de crimes que pudessem ser denunciados. A testemunha disse desconhecer quem forneceu os e-mails internos do Benfica e acrescentou que Francisco J. Marques também. A designação do e-mail de onde vinha a informação não permitia perceber o nome do remetente, explicou a testemunha, excluindo a possibilidade de terem sido forjados. “Eram e-mails reais”, defendeu, apoiado numa notícia da Lusa, que citava Pedro Guerra, ligado ao universo benfiquista, a declarar que admitia a existência dos e-mails, mas não se lembrava do conteúdo.

O Tribunal Central Cível do Porto está a julgar desde o início de março a ação em que o Benfica reclama uma indemnização a empresas e figuras do universo do FC Porto pela divulgação de e-mails internos do clube ‘encarnado’. No processo em que é autora, a SAD do Benfica corresponsabiliza por “danos de imagem”, causados pela divulgação dos e-mails, a homóloga do FC Porto, o presidente da sociedade e do clube, Pinto da Costa, os administradores Fernando Gomes e Adelino Caldeira e o diretor de comunicação, Francisco J. Marques, além da FC Porto Média, empresa detentora da estação televisiva Porto Canal.

O Benfica alega que a divulgação dos e-mails afetou a credibilidade do clube, prejudicando os seus interesses comerciais e chegando a provocar a queda de cotação das ações da SAD na bolsa. O FC Porto alega que se limitou a divulgar informação de interesse público e que as mensagens de correio eletrónico em causa revelam práticas deturpadores da verdade desportiva.

Numa audiência prévia realizada a 20 de novembro de 2018, em que se fixou o valor da causa, foi também admitida a reconvenção (uma espécie de contra-ação), deduzida pela ré, pedindo uma indemnização cujo valor não foi divulgado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)