Direitos das Mulheres

Jornalista desportiva é beijada em direto (e sem consentimento) por pugilista

Jennifer Ravalo, jornalista do Vegas Sport Daily, vai processar Kubrat Pulev, que acusa de a ter beijado e tocado sem autorização no final de uma entrevista em direto.

D.R.

A jornalista desportiva que foi beijada por um pugilista, em direto e contra a sua vontade, decidiu processar o atleta, acusando-o também de a ter apalpado.

De acordo com a Sky News, Jennifer Ravalo, que trabalha para o canal Vegas Sport Daily, afirmou que Kubrat Pulev “não tinha o direito” de a beijar no final de uma flashinterview depois do combate em que o búlgaro venceu Bogdan Dinu por knockout. Este episódio deu-se na passada semana mas só agora é que Ravalo decidiu tomar medidas concretas em relação ao sucedido, tendo, inclusive, feito uma conferência de imprensa na passada quinta-feira onde revelou ainda que Pulev tinha-lhe agarrado o rabo e “apertado com as duas mãos”, mais tarde, na mesma noite do beijo indesejado.

Ravalo afirmou ainda que Pulev “agiu como se nada tivesse acontecido” e pediu-lhe, numa festa mais tarde nessa noite, para “retirar o beijo da entrevista.” “Não retirei e insisti que ficasse no trabalho final, quis que as pessoas pudessem ver o que ele me fez”, acrescentou ainda a jornalista.

Depois do polémico beijo de 23 de março, Pulev foi alvo de grande contestação nas redes sociais, tendo o mesmo reagido, através do Twitter, que era amigo de Ravalo e que se tinha rido do beijo, tendo a jornalista, mais tarde, mudado a sua versão.

Na conferência de imprensa que Ravalo protagonizou é apresentada uma história diferente. Segundo a mesma, só conheceu Pulev no dia antes do combate, no momento das pesagens dos lutadores. O relato completo da jornalista é o seguinte: “Comecei a entrevista e a meio da mesma ele agarrou-me a cara e beijou-me. Fiquei imediatamente chocada e envergonhada sem saber como reagir. Depois segui para uma mesa, coloquei as minhas coisas na mochila e ele apertou o meu traseiro com ambas as mãos, antes de se ir embora a rir, sem dizer nada.”

Gloria Allred foi a advogada escolhida por Ravalo para a representar que espera que ela a “ajude a impor consequências” a Pulev. “Eu não encorajei ou consenti que o Sr. Pulev agarrasse a minha cara e me beijasse ou tocasse. Eu estava no combate enquanto membro de um órgão de comunicação social. Beijar uma mulher sem o seu consentimento e tocá-la não é aceitável. O que ele me fez foi nojento, senti-me humilhada. Nenhuma mulher devia sentir isso.”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

O arraial da luta /premium

Helena Matos
1.796

É a luta feminista. A luta contra o racismo... Há sempre uma luta. A luta é um arraial que políticos vorazes pelo poder montaram nas nossas vidas. O reverso desta encenação vai do fiasco ao crime

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)