Transportes

Trabalhadores dos bares dos comboios voltam à greve na segunda-feira

Os trabalhadores dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades vão fazer de novo greve por considerarem "manifestamente insuficiente" a proposta de aumento salarial.

A empresa Almeida & Cadima propôs um aumento salarial de 1,5% que foi rejeitado pelos os trabalhadores por ser "manifestamente insuficiente" face aos baixos salários que são pagos

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Os trabalhadores dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades vão fazer de novo greve, com início na segunda-feira, pois consideram “manifestamente insuficiente” a proposta de aumento salarial de 1,5%, disse esta sexta-feira uma fonte sindical. A greve não tem uma data para terminar, tendo o presidente da direção do sindicado, Francisco Figueiredo, dito à Lusa que, a cada dia, os trabalhadores vão se decidir se continuam com o protesto.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte, na última reunião de negociações do Acordo de Empresa, em 22 de março, a empresa Almeida & Cadima, que pertence à LSG Group (Lufthansa), propôs um aumento salarial de “apenas 1,5%”, que foi rejeitado pelos os trabalhadores por ser “manifestamente insuficiente” face aos baixos salários que são pagos.

Francisco Figueiredo disse ainda à agência Lusa que a empresa também “reduziu em dois dias o subsídio de alimentação mensal”, passando-o para 20 dias, e “não paga” o subsídio de alimentação nas férias dos trabalhadores, na ordem dos 146 euros e que estes recebiam. Assim sendo, “o aumento salarial, que já é pequeno, é comido pelos roubos que a empresa quer fazer”, lamentou o dirigente sindical, lembrando que a empresa “não paga” o trabalho suplementar efetuado.

Os trabalhadores da sociedade Almeida & Cadima, Ld.ª, empresa que desde dezembro de 2018 explora o serviço de refeições dos comboios Alfa Pendular e Intercidades, face à proposta da administração decidiram voltar à greve com início na segunda-feira. Além disso, “os trabalhadores vão constituir, como habitualmente, piquetes de greve a partir das 05h30 do dia 1 de abril em Santa Apolónia, em Lisboa, e em Campanhã, no Porto”, salientou o dirigente sindical.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
181

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)