Rádio Observador

Transportes

Trabalhadores dos bares dos comboios voltam à greve na segunda-feira

Os trabalhadores dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades vão fazer de novo greve por considerarem "manifestamente insuficiente" a proposta de aumento salarial.

A empresa Almeida & Cadima propôs um aumento salarial de 1,5% que foi rejeitado pelos os trabalhadores por ser "manifestamente insuficiente" face aos baixos salários que são pagos

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Os trabalhadores dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades vão fazer de novo greve, com início na segunda-feira, pois consideram “manifestamente insuficiente” a proposta de aumento salarial de 1,5%, disse esta sexta-feira uma fonte sindical. A greve não tem uma data para terminar, tendo o presidente da direção do sindicado, Francisco Figueiredo, dito à Lusa que, a cada dia, os trabalhadores vão se decidir se continuam com o protesto.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte, na última reunião de negociações do Acordo de Empresa, em 22 de março, a empresa Almeida & Cadima, que pertence à LSG Group (Lufthansa), propôs um aumento salarial de “apenas 1,5%”, que foi rejeitado pelos os trabalhadores por ser “manifestamente insuficiente” face aos baixos salários que são pagos.

Francisco Figueiredo disse ainda à agência Lusa que a empresa também “reduziu em dois dias o subsídio de alimentação mensal”, passando-o para 20 dias, e “não paga” o subsídio de alimentação nas férias dos trabalhadores, na ordem dos 146 euros e que estes recebiam. Assim sendo, “o aumento salarial, que já é pequeno, é comido pelos roubos que a empresa quer fazer”, lamentou o dirigente sindical, lembrando que a empresa “não paga” o trabalho suplementar efetuado.

Os trabalhadores da sociedade Almeida & Cadima, Ld.ª, empresa que desde dezembro de 2018 explora o serviço de refeições dos comboios Alfa Pendular e Intercidades, face à proposta da administração decidiram voltar à greve com início na segunda-feira. Além disso, “os trabalhadores vão constituir, como habitualmente, piquetes de greve a partir das 05h30 do dia 1 de abril em Santa Apolónia, em Lisboa, e em Campanhã, no Porto”, salientou o dirigente sindical.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)