Bloco de Esquerda

Bloco diz que SNS tem de garantir a melhor qualidade de prestação de cuidados

150

Em Estremoz, líder do BE lembrou as alterações que estão a ser feitas à lei de bases da saúde para defender que deve ser o SNS a garantir a melhor qualidade da prestação de cuidados

NUNO VEIGA/LUSA

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu hoje que deve ser o Serviço Nacional de Saúde (SNS) a garantir a toda a gente, em todo o país, a melhor qualidade de prestação destes cuidados.

“Está a ser debatida na Assembleia da República uma lei que é essencial para as condições de vida no interior do país, que é a lei de bases da saúde”, disse a líder do Bloco, que falava aos jornalistas, em Estremoz, durante uma visita ao mercado da cidade.

Catarina Martins referiu que “esta oportunidade de alterar a lei de bases da saúde não pode ser desperdiçada” e lembrou que “alterar a lei de bases da saúde para proteger o SNS da sangria dos recursos para os hospitais privados é defender o funcionamento do SNS em todo o país e é acabar com a sangria de recursos humanos de que o país precisa no SNS”.

“O interior tem sido particularmente prejudicado pela forma como tantas vezes profissionais e recursos vão para o setor privado em vez de estarem no SNS, e depois, o setor privado não quer fazer o serviço público no interior, porque no interior não faz lucro”, adiantou a líder bloquista.

Para a coordenadora do BE, “se a concorrência com o setor privado e o crescimento do setor privado da saúde à conta do orçamento público tem criado problemas em todo o país, as populações do interior são as primeiras a sofrer com esses problemas, porque veem desde logo a incapacidade do SNS de atrair profissionais para as zonas do interior”.

“Ouvi o senhor primeiro-ministro dizer em entrevista que está muito interessado em fazer uma lei de bases da saúde negociada à esquerda. Ainda bem que assim é”, adiantou a líder bloquista, lembrando que foi “o Bloco de Esquerda o primeiro partido a apresentar uma proposta de lei de bases da saúde, que foi feita por João Semedo e por António Arnaut”.

Catarina Martins referiu que “é necessário para que este trabalho comum exista, parar a sangria de recursos do Orçamento do Estado para o setor privado da saúde e garantir que o Serviço Nacional de Saúde é o prestador de cuidados de saúde em todo o país e a toda a população”.

A líder do BE defendeu “uma lei de bases que acabe com a ideia de que o Estado financia o setor privado, que protege o Serviço Nacional de Saúde e os recursos do SNS e limita as contratualizações ao setor social e ao setor privado, nas áreas onde não há oferta do SNS, é a única lei de bases da saúde que pode fazer a diferença para salvar o SNS”.

Catarina Martins, afirmou, ainda, que para salvar o SNS, é importante que o “Governo tenha a disponibilidade de fazer uma lei de bases mais exigente, que acabe com as PPP e que limite a contratualização com o setor social e setor privado às áreas onde é necessário, acabando com uma concorrência desleal entre público e privado, que tem vindo a retirar os profissionais de saúde onde são mais necessários, desde logo no interior do país”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Liberais: já não se livram de nós!

Jose Bento da Silva

Os portugueses sabem hoje aquilo que não sabiam antes do Carlos Guimarães Pinto e do Ricardo Arroja: há vida para lá do socialismo. E conseguiram provar que os políticos afinal não são todos iguais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)