Rádio Observador

Lifestyle

5 coisas que deve saber sobre Kia Proceed shooting brake

Um carro moderno inspirado em carroças do século XIX? Ele existe e reúne o melhor de dois mundos: combina as linhas arrojadas dos coupés com o conforto das carrinhas familiares. Sabe qual é?

O novo Kia ProCeed é o automóvel familiar dos tempos modernos: combina estética e conforto, tecnologia e factos curiosos. Cinco, mais precisamente, que pode ficar a conhecer.

1. Não é um familiar convencional

O KIA Proceed parece-lhe familiar? Se parece, parece bem. Porque é, efectivamente, um automóvel familiar. Mas se não parecer, não estranhe: os automóveis que nos habituámos a considerar familiares costumam dar prioridade ao espaço em detrimento da estética. O KIA ProCeed não — está dentro da categoria shooting brake, género que combina as linhas arrojadas dos coupés com o conforto das carrinhas familiares.

2. Inspira-se, indirectamente, em carroças do século XIX

As shooting brakes originais eram carroças que, no final do século XIX, transportavam caçadores, respectivos cães e arsenais. A expressão, que une o acto de shooting [disparar] da caçada ao brake [travão], dispositivo com que se travava o ímpeto dos animais, foi recuperada décadas mais tarde, quando os construtores de automóveis quiseram criar carrinhas mais baixas, de linhas desportivas, e se inspiraram no formato dessas mesmas carroças.

3. A marca é coreana, mas o design é europeu

A KIA é uma marca sul-coreana com mais de 70 anos de história que, curiosamente, até começou por fabricar bicicletas. Mas este ProCeed, tal como acontece com o Ceed, é desenhado e fabricado na Europa. Aliás, o nome Ceed explica-se por isso mesmo: é um carro para a comunidade europeia com design europeu. Community of Europe/European Design. Ceed.

4. Tem a maior garantia da Europa

Os responsáveis pela KIA confiam tanto na qualidade de construção deste ProCeed que, tal como acontece com todos os modelos da marca na Europa, oferecem uma garantia de 7 anos. Sim, leu bem, 7 anos, 84 meses, sensivelmente 2557 dias. A garantia não tem limite de quilómetros nos primeiros 3 anos (150 mil nos quatro restantes), é integral, gratuita e transfere-se para outros proprietários — em caso de venda do carro — desde que o veículo siga o seu habitual programa de manutenção. Ou seja, desde que o estime.

5. Está carregadinho de tecnologia inovadora

É inegável: o ProCeed faz jus ao duplo sentido da expressão modelo. Porque é bonito, desfila bem em qualquer estrada. Feito de curvas e feito para as curvas. E brilhante, literalmente brilhante, graças às luzes LED que se integram na sua silhueta. Mas onde ele brilha ainda mais alto é na tecnologia. Pelo ecrã táctil de 8 polegadas passa todo o tipo de informações: mapas, trânsito, radares, boletim meteorológico, lugares de estacionamento, postos de combustível mais próximos. Mas a tecnologia do ProCeed não é, simplesmente, informativa. Também torna a condução mais segura: auxilia no estacionamento, na prevenção de colisões, no controlo de velocidade ou na manutenção na faixa de rodagem, por exemplo. Porque, lá está, é um familiar. E a segurança da família importa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)