Rádio Observador

Casa Real

Baile da Rosa: sem Lagerfeld, a aristocracia do Mónaco cumpriu uma tradição com 65 anos

O primeiro foi há 65 anos, impulsionado por Grace Kelly. Também no Baile da Rosa, Lagerfeld foi diretor criativo. No último sábado, a elite do Mónaco recordou o designer na noite mais luxuosa do ano.

Eis o tipo de visão a que o Mónaco habituou o mundo — um desfile de aristocratas, com celebridades bronzeadas pelo meio, vestidos de cauda, joias, gente das artes e uma grande ligeireza ao juntar tudo isto numa paisagem à beira mar. O último sábado, dia 30 de março, não foi exceção. Aliás, é em noite de Baile da Rosa que o espírito monegasco vem ao de cima em todo o seu esplendor. Os membros da família real foram os grandes anfitriões da noite. Sem Charlene, mas acompanhado pela irmã Carolina, o príncipe Alberto veio mostrar que nem só de circo se alimenta a alta-roda.

A princesa Carolina e o príncipe Alberto do Mónaco, a chegar ao Baile da Rosa, no passado sábado, em Monte Carlo © PLS Pool/Getty Images

Na Salle des Etoiles, dentro do Sporting Monte-Carlo, a festa decorreu inspirada pela Riviera. O tema, “Riviera”, foi escolhido por Karl Lagerfeld, amigo próximo dos príncipes, responsável pela conceção do baile nas últimas cinco edições e, claro, presença assídua em todas elas. Com a morte do designer em fevereiro deste ano, foi a grande festa a homenagear o seu génio criativo. À semelhança dos cenários extraordinários que incutiu no universo Chanel, o que no último sábado acolheu esta festa beneficente seguiu o mesmo registo — uma piscina,  todo um imaginário náutico explorado através da art déco, banhistas de outros tempos e, para cumprir a tradição, milhares de rosas.

Seja qual for o mote, este é mesmo o elemento que não pode faltar, até porque era a flor favorita de Grace Kelly. Diz-se que, ao todo, são cerca de 25.000 a decorar o salão do baile. Fora do departamento da decoração, mas igualmente visual, é o guarda-roupa dos convidados. Mais uma vez, as indumentárias estiveram maioritariamente ligadas ao tema. A princesa Carolina homenageou Largerfeld com um vestido Chanel, proveniente dos arquivos da maison. Outras convidadas escolheram marcas como Giambattista Valli, Saint Laurent, Christian Dior e Carolina Herrera. As princesas Stéphanie e Charlene foram as ausências mais notadas da noite.

O cenário do Baile da Rosa inspirado na Riviera Francesa, naquela que foi a última edição a ser desenhada por Karl Lagerfeld ©  PLS Pool/Getty Images

O baile existe desde 1954, criado pela própria Grace Kelly, na época em que se mudou para o Mónaco para casar com o príncipe Rainier. Ano após ano, a princesa e estrela de Hollywood envolveu-se na preparação da grande noite que, além de dar as boas-vindas à primavera, nasceu também com um intuito beneficente. Desde 1964 que o dinheiro angariado durante o baile vai para a Princess Grace Foundation, que canaliza as verbas para projetos humanitários e filantrópicos, sempre ligadas a crianças. Além de leilões, em que 800 euros é a base de licitação habitual, os convidados podem também fazer donativos livres.

Quanto aos convidados, parece que a lista é seleta. Todos os anos, cerca de 1.000 pessoas recebem o convite e o rol estende-se para lá da aristocracia monegasca. A palavra final é sempre da família real que, conta-se, passa a pente fino cada nome antes de enviar os tão desejados convites. Durante 65 anos, também os artistas fizeram parte desta história. Em 1977, o dançarino francês Jacques Chazot atuou no baile. As cantoras britânicas Lily Allen e Shirley Bassey também já animaram as hostes no Sporting Monte-Carlo.

A princesa Grace e a filha, Carolina do Mónaco, no Baile da Rosa, em 1981 © PHILIPPE WOJAZER/AFP/GettyImages

Sim, porque, uma vez reunidos os convidados, convém entretê-los. Aí, o Baile da Rosa tem andado ao sabor das modas. Se nos primeiros anos imperava a valsa, musicada por uma orquestra de 100 violinos, no final dos anos 50, entrou em cena o ballet, com participação da Colette Marchand, primeira-bailarina e atriz francesa. Em 1975, o baile muda-se para o edifício atual, o Sporting Monte-Carlo. Nesse mesmo ano, nasce um sorteio ligado à moda. Para fins de caridade, grandes marcas de vestuário, acessórios e joias começaram a apresentar novidades em primeira mão a quem oferecesse o valor mais alto.

No final dos anos 70, os outros ritmos invadiram o baile — do cancan parisiense, ao charleston e ao tango. Os estilos musicais acompanham, muitas vezes, os próprios temas da festa. O dandy britânico dos anos 60, Marrocos ou Manhattan têm sido temas das últimas edições e se as mulheres têm a possibilidade de ajustar a indumentária ao espírito da noite, aos homens não é dada grande margem. O dress code é rígido e fecha o leque de opções num básico “black tie“.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)