“Commander in Cheat”. Este é o título do livro do antigo colunista da Sports Illustrated, Rick Reilly, que teoriza sobre a forma “como o golfe explica Trump”. O autor já jogou com Donald Trump e, no livro, dá eco a acusações de jogadores de golfe que dizem que o presidente norte-americano é “o maior batoteiro do mundo no golf”. O New York Post e The Guardian citam o livro que tem frases como: “Dizer que Donald Trump faz batota é como dizer que Michael Phelps nada.”

Reilly terá baseado a sua tese em relatos de jogadores que partilharam o campo com Trump, incluindo várias celebridades norte-americanas. Trump tem no golfe um dos principais hobbies e ainda no último fim-de-semana jogou no seu campo na Flórida, mas nem sempre o terá feito de forma limpa. Já em janeiro de 2018 Trump tinha sido acusado por Suzann Pettersen — que chegou a ser número dois da Ladies Professional Golf Association (a liga profissional de golfe feminino) — de fazer muita batotice.

Já depois de ter tomado posse como presidente, Trump jogou com Tiger Woods, o lendário jogador e atual número um do mundo e um veterano do PGA Tour, Brad Faxon. Esperava-se que, perante tão distintas figuras, Trump não fizesse batota. Mas fez. Segundo o relato de Brad Faxon, Trump atirou uma bola para o lago, mas como os outros jogadores não estavam a olhar, voltou a bater outra bola. Que também foi parar ao lago. O ator Samuel L. Jackson também conta episódios similares.

Outro aspeto curioso é que, antes de entrar na Casa Branca, Trump criticava Barack Obama pelo tempo que o antigo presidente passava a jogar golfe e, em plena campanha eleitoral, disse mesmo que como presidente trabalharia tanto que não teria tempo para jogar. Afinal, tem arranjado tempo. E também joga em trabalho, como aconteceu com o presidente japonês Shinzo Abe.

Trump e Abe jogam “relaxante e produtiva” partida de golfe na Florida

O título do livro “Commander in Cheat: How Golf Explains Trump”, é um trocadilho com a designação “commander in chief”, que serve para designar o Comandante Supremo das Forças Armadas.