Rádio Observador

Transportes

Passe único. Em busca do “pai da criança” dentro de uma matrioska eleitoral

1.699

O pai é Medina, Carlos Humberto, António Costa? Primeiro-ministro concedeu ao passe único "paternidade coletiva" e garantiu que chegará a todo o país, numa manhã de pré-campanha total.

António Costa foi da Ericeira a Setúbal, sempre de transportes públicos e com o passe único no dia em que o titulo entrou em vigor

José Sena Goulão/LUSA

Por fora era uma apresentação do novo passe único, que entrou em vigor esta segunda-feira, numa iniciativa do Governo. Mas por dentro teve várias camadas do que se assemelhou muito a campanha eleitoral de cada um dos intervenientes. Embora a intenção tivesse sido desmentida em cada uma das intervenções,  desfilaram não só o primeiro-ministro (e recandidato ao cargo), como ministros e presidentes de Câmara da Área Metropolitana de Lisboa a publicitar os benefícios do novo passe, todos em bicos de pés pela paternidade da medida. Teve de tudo: diretos televisivos à vez dentro do Fertagus, promessas e anúncios de devolução de rendimentos e mais meios de transporte, caminhada a pé pelas ruas de Setúbal com cumprimentos a lojistas e quem passasse — em campanha chama-se arruada, mas aqui sem bombos. Talvez a mais pequena das bonecas desta espécie de matrioska eleitoral fosse a que dá corpo à pré-aguardada luta interna socialista entre Fernando Medina e Pedro Nuno Santos. Mas até essa por lá passou (timidamente).

António Costa levou mais de três horas a fazer um percurso que de automóvel não chega a uma hora, entre Ericeira e Setúbal. Mas apanhou a “camioneta da Mafrense na Ericeira às 7h30, depois o metro no Campo Grande e a seguir o Fertagus para ir até Setúbal”, onde chegou perto das 10h40. Bernardino Soares, presidente da Câmara de Loures, não conseguiu chegar a tempo a Entrecampos, onde Costa apanhou o Fertagus: “Apanhei um acidente da Calçada de Carriche e perdi o comboio por dois minutos. Como não tinha nem burro nem Ferrari…”, gracejou, lembrando aquela campanha de de 1993 em que o candidato António Costa promoveu essa corrida para defender o metro até Odivelas e combater o famoso trânsito na Calçada de Carriche (o burro ganhou) — já há metro, mas o trânsito atrasou na mesma Bernardino, que não foi de Ferrari mas foi de carro e mesmo assim chegou a Setúbal antes de Costa.

Tudo para mostrar os feitos do novo passe único (chama-se Navegante em Lisboa e Andante no Porto), que custa no máximo 40 euros e que Fernando Medina apresentou em setembro, foi aprovado em outubro pelos presidentes das 18 câmaras da Área Metropolitana de Lisboa, lançado numa cerimónia oficial na semana passada e finalmente inaugurado esta quarta-feira, em mais uma cerimónia com pompa e circunstância.

Eleitoralismo em ano de eleições? “Isso significa que é uma medida boa. Tenho muita pena que alguém que diz que esta medida só chega agora tenha andado distraído em março e tenha votado contra no Orçamento”. Costa referia-se à direita, que esteve contra a medida por não ser igual para todo o país. Sobre este ponto concreto disse ainda “ser um equívoco porque o Governo decidiu desde logo alargar a todo o país — todos os presidentes de comunidades intermunicipais apresentaram um programa de redução de tarifário e/ou de aumento da oferta de transportes”. Onde não entrar em vigor esta segunda-feira, entrará até 15 de abril e, nas restantes, até 1 de maio, assegurou o primeiro-ministro.

Mais 70 mil novos passes pedidos em março deste ano

Foram 15 em 21 Comunidades Intermunicipais do país que aderiram ao novo passe que, em Lisboa por exemplo, fez aumentar a procura por um título de transporte mensal: “Foram mais 70 mil vendidos em março de 2019 do que em março de 2018”, explicou o autarca de Lisboa Fernando Medina. “E muitos a pessoas com mais de 65 anos”, acrescentou.

Mas esta declaração foi na parte dos discursos, antes disso Costa tinha vindo até Setúbal de comboio, sentado do lado direito da carruagem. À direita tinha o ministro das Infraestruturas Pedro Nuno Santos e à sua frente o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina. Um primeiro-ministro e recandidato ao cargo entalado entre o futuro que se antevê para o PS, embora depois, na rua, Pedro Nuno tenha mantido sempre distância da dianteira da comitiva, onde Medina pouco descolou do lado de Costa durante o percurso entre a estação de comboios e a Câmara Municipal. O desfile despertava a atenção de quem passava e até do senhor que do meio da rua exclamou para Costa: “A minha casa é ali, tem de ir lá fazer uma cataplana”.

O primeiro-ministro gargalhou e seguiu até à câmara para a cerimónia oficial de reclamação de paternidade “da criança”, ou seja, do passe único. Começou em Maria das Dores Meira a atribuí-la a Fernando Medina, “que teve visão estratégia para conduzir este processo, de que foi um dos principais artíficies”. Depois veio Medina dizer que “o pai da criança foram estes autarcas e este Governo socialista”. Ainda que tenha concedido que “talvez o parteiro principal seja a equipa de Carlos Humberto, primeiro secretário da Área Metropolitana de Lisboa”. Isto além do agradecimento ao primeiro-ministro e ao ministro do Ambiente, Matos Fernandes, que, segundo Medina, “devia ganhar o título vitalício nesta área da mobilidade” (entre os que estavam na primeira fila só faltou referência ao recém-nomeado ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, o rival interno no PS).

Por fim, veio o primeiro-ministro para dizer que “há muito tempo que não tínhamos uma medida com tantos pais e tantos pais coletivos”, distribuindo os créditos sobretudo pelos “autarcas de todos os partidos, que são coautores desta medida”. Um elogio que lhe servia de ponte para o ataque que interessa nesta atura do campeonato: ao PSD e CDS nacionais, que chumbaram a medida no Parlamento apesar de terem autarcas seus entre os que a apoiaram na Área Metropolitana — aliás, a medida foi aprovada de forma unânime neste órgão. É com eles que se joga a campanha eleitoral de maio, nas europeias, e mais adiante as legislativas, em setembro/outubro.

A medida pesa 104 milhões de euros no Orçamento do Estado para este ano: “Tem tecto fixo em 2019 e se houver aumento da procura isso pode ter impacto na redução de custos”, garantiu António Costa a bordo do Fertagus. Quanto à possibilidade de, nos próximos tempos, os transportes andarem especialmente cheios, o primeiro-ministro admitiu que “haverá certamente um período de ajustamento”, ou seja, apertos nos transportes. Contra isso, Costa apontou os 700 novos autocarros em todo o país e os concurso abertos de navios para equipar a Transtejo.

Pelo meio ainda a intervenção de Matos Fernandes, a falar na importância da redução de carros para o ambiente. Mas a frota automóvel cá fora para levar governantes de volta era a que era (ver a fotografia em baixo). Pedro Nuno Santos foi um dos que voltou de carro — tinha de regressar rapidamente para uma reunião em Lisboa, garantiu. António Costa voltaria mais tarde, de TST, assegurou o seu gabinete. Mas, desta vez, não quis jornalistas com ele.

Carros à espera de responsáveis políticos à porta da Câmara de Setúbal em dia de ode aos transportes públicos

Obra, obra, obra. Promessas mil num ano em que a prática interessa a todos, desde os autarcas aos governantes aos aspirantes, cada um a puxar ao seu partido aquela que o primeiro-ministro aponta como uma medida central na reposição de rendimentos aos portugueses. O Navegante, para quem só circula em Lisboa, passa a custar 30 euros; e, para quem usa todas as outras coroas, 40 euros, sendo o máximo por família dois Navegantes, ou seja, 80 euros. Mas as coroas agora ficam para trás, só ficam mesmo no quadro que Maria das Dores Meira ofereceu a António Costa com réplicas, em seu nome, dos velhinhos L123 e dois passes TST (agora ambos substituídos pelo passe único). “Para trás ficam as corridas do burro e do Ferrari para chegar a Loures”, disse ainda a autarca sobre António Costa, que “mais depressa chegou ao Largo do Rato”. Já Bernardino Soares, sem pretensões algumas de chegar a esse Largo, já se tinha dado por satisfeito em chegar a tempo e horas à saída do comboio de Entrecampos. Talvez de burro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)