Taiwan informou esta segunda-feira que foi feita uma advertência aos caças chineses que cruzaram a linha central do Estreito de Taiwan, que separa a ilha da China continental, classificando o ato uma provocação de Pequim.

Ontem [domingo], aeronaves militares chinesas provocaram-nos ao violarem o acordo tácito depois de cruzarem a linha mediana do Estreito de Taiwan. Eles recuaram para o lado oeste da linha mediana após advertências da Força Aérea”, disse a Presidente taiwanês Tsai Ing-wen em declarações à margem de uma cerimónia militar.

O ministro das Relações Exteriores, Joseph Wu, disse aos jornalistas, que se tratou de um ato intencional, apelidando-a de provocação perigosa. O mesmo responsável disse que Taiwan informou os “parceiros regionais” sobre o incidente.

O Ministério da Defesa de Taiwan explicou que um par de caças J-11 chineses entraram no espaço aéreo sudoeste da ilha na manhã de domingo (madrugada em Lisboa).

Taiwan enviou caças para estabelecer contacto com os aviões chineses, que ficaram a cerca de 185 quilómetros da ilha.

O Ministério da Defesa adiantou, numa publicação na rede social Twitter, que os aviões chineses “violaram o acordo tácito de longa data, cruzando a linha mediana” do estreito.

A Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, disse aos jornalistas que estes atos procuram alterar o ‘status quo’ e ameaçam a segurança e a estabilidade regionais.