O ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, disse esta segunda-feira que a Turquia mantém o seu apoio ao Presidente de facto venezuelano, Nicolás Maduro, e pretende aprofundar a cooperação com a Venezuela “em todas as áreas“, apesar da pressão norte-americana.

O chefe da diplomacia turca falava numa conferência de imprensa conjunta, na Turquia, com o seu homólogo venezuelano, Jorge Arreaza.

O chefe da diplomacia venezuelana indicou que a Turquia e a Venezuela vão “trabalhar continuamente” para encontrar formas alternativas de aumentar o comércio bilateral.

Está fora de questão para nós [Turquia] ver as dificuldades do povo venezuelano e não negociar com aquele país”, realçou, por seu turno, Cavusoglu.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os dois ministros também criticaram as sanções dos Estados Unidos contra a Venezuela que também têm como alvo o comércio de ouro do país.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino e declarou que assumia os poderes executivos do chefe de Estado venezuelano, Nicolás Maduro.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/economia-da-venezuela/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”37″ slug=”economia-da-venezuela” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/economia-da-venezuela/thumbnail?version=1553103736024&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

Cerca de 50 países, incluindo a maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, seguiram a decisão norte-americana e reconheceram Guaidó como Presidente interino da Venezuela encarregado de organizar eleições livres e transparentes naquele país.

Na Venezuela, que vive uma grave crise política, económica e humanitária, residem cerca de 300 mil portugueses ou lusodescendentes.