Rádio Observador

Moda

Carine Roitfeld, a nova consultora de estilo da marca Karl Lagerfeld

Amiga de longa data do criador, ícone de estilo, a francesa assumirá funções para os próximos três anos. A coleção primavera-verão 2020 será a primeira a materializar esta ligação.

Aos 64 anos, Carine associa-se ao legado Lagerfeld © Dimitrios Kambouris/Getty Images para a Harper's BAZAAR

Dimitrios Kambouris

Depois da morte do designer alemão Kar Lagerfeld, várias incógnitas ficaram de imediato a pairar. Algumas mais frívolas, que apontavam a sua gata de estimação como herdeira dos muitos milhões deixados, outras mais decisivas, nomeadamente sobre o destino reservado às marcas a que o criador estava associado. E se em pouco tempo a maison Chanel, ao leme da qual Lagerfeld esteve 30 anos, anunciava que Virginie Viard, até então seu braço direito, assumiria a direção criativa, outras respostas ficavam por apurar nesta fase de transição, depois da notícia do seu desaparecimento, em 19 de fevereiro.

Uma delas envolvia os próximos passos em relação à marca própria de Karl Lagerfeld, tendo ficado hoje desfeito o mistério. Carine Roitfeld é a senhora que se segue na função de consultora de estilo para os próximos três anos, uma missão que ganhará forma já na próxima coleção primavera-verão 2020. A confirmação foi dada esta terça-feira pela marca através das suas redes sociais, destacando uma imagem em que Roitfeld surge a olhar para a câmara, abraçada a Lagerfeld, seu amigo de longa data e com quem assinou diferentes parcerias. Será sua missão “homenagear a visão criativa de Karl e recuperá-la através de coleções contemporâneas e inovadoras”. A marca recorda ainda que Hun Kim, nomeado pelo próprio Lagerfeld há anos, manter-se-á à cabeça das equipas de design, enquanto Carine trará uma perspetiva mais fresca e disruptiva.

Para o universo da moda, Roitfeld é uma exuberante ave perfeitamente enquadrada no bando, uma das mais destacadas e influentes, aliás, que dispensa grandes apresentações. Com 1,5 milhões de seguidores no Instagram, a parisiense de 64 anos estreou-se aos 18 como manequim, foi redatora e stylist da Elle francesa, e mais tarde editora chefe da Vogue Paris, cargo que desempenhou entre 2001 e 2011 (quando cedeu o lugar a Emmanuelle Alt, outro ícone de estilo da praça) para se poder dedicar a projetos em nome pessoal. Atento à sua forma invejável, Telegraph explora por estes dias a receita da “sexy” Roitfeld, que chegada a esta idade prefere os vodkas ao exercício físico e recusa toyboys.

Consultora e musa de Tom Ford para a Gucci ou para a Yves-Saint Laurent, associou ainda a sua imagem a etiquetas como a Missoni, Versace ou Calvin Klein. Na qualidade de stylist freelancer, deixou a sua marca nas coleções de outono 2011 e primavera 2012 da Chanel, e concebeu uma montra da célebre Barneys em Nova Iorque.

Em 2011, a Rizzoli editava a obra me grande formato “Irreverent” e dois anos mais tarde surgia todo um documentário, “Mademoiselle C”, que compilava o lançamento da sua revista, a CR. Pelo meio, ainda em 2012, juntava-se a Karl na edição de “The Little Black Jacket: Chanel’s Classic Revisited”, para mais um encontro de afinidades estéticas e criativas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mrsilva@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)