Dinamarca

Dinamarca. A maior torre da Europa Ocidental vai ser construída numa cidade com sete mil habitantes

361

A empresa de roupa dinamarquesa Bestseller vai construir uma torre com 320 metros na cidade rural de Brande. A Torre Bestseller vai ser visível a mais de 60 quilómetros de distância.

A Torre Bestseller vai ter 320 metros de altura, valendo-lhe o título de edifício mais alto da Europa Ocidental

Twitter

Brande, uma cidade rural dinamarquesa com cerca de 7 mil habitantes e a quase 300 quilómetros de distância da capital, Copenhaga, vai albergar um arranha-céus com 320 metros. A torre vai ser erguida pela Bestseller, uma empresa de moda fundada na cidade que já há muito deixou de se circunscrever a Brande, mas continua a olhar para ela como o início de tudo. “[A torre] vai ser o ponto de referência que colocará Brande no mapa”, disse ao The Guardian Anders Krogh Vogdrup, chefe de construções para a Bestseller.

A gigante da moda Bestseller foi fundada na cidade em 1975 e o seu dono, Anders Holch Povlsen, é o homem mais rico da Dinamarca e detém ainda marcas como a Vero Modo e a Jack and Jones. Depois de ter a aprovação do conselho dos moradores de Brande, Povlsen verá a sua sede ser o edifício mais alto da Europa Ocidental, ultrapassando o The Shard, em Londres, por 10,4 metros.

A Torre Bestseller vai ser construída no centro de uma cidade com sete mil habitantes. Foto: Bestseller

O responsável pela construção da empresa, Krogh Vogdrup, explicou que a torre serve para devolver algo à comunidade que viu a marca nascer. “Durante mais de 30 anos temos sido muito felizes na nossa casa em Brande e sentimos que somos parte natural da comunidade local”, disse ao The Guardian. Apesar de um arranha-céus num meio rural com tão poucos habitantes poder parecer estranho, a verdade é que a crítica não se tem adensado.

“É difícil encontrar alguém que se oponha à torre. Toda a gente pensa que é uma ideia fantástica e eu também”, explicou um repórter local ao jornal inglês. Os elogios vêm também da ala mais à esquerda. Anders Udengaard, um político da esquerda socialista e crítico da Bestseller, junta-se ao rol de apoiantes. “Não há oposição. Mas para a maior parte das pessoas que olham para um projeto como este a ser construído numa comunidade pequena, parece um pouco louco, não?”, deixa em aberto Udengaard.

A voz mais crítica chega de uma arquiteta que vive a cerca de 100 quilómetros de distância, mas cujo namorado cresceu em Brande. Para Trine Kammer a construção vai destruir uma “paisagem [até então] não perturbada”. “Um grande edifício como este vai fazer com que o mundo seja catastroficamente pequeno. Porque é que tenho de me lembrar da Bestseller de cada vez que estou a caminhar por um bosque?”, questiona a arquiteta.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

As eleições deviam ser uma maçada

Henrique Burnay

China, Estados Unidos, Rússia, energia, clima, banca, defesa, plataformas digitais e empregos do futuro. Pela discussão que aí vai não se nota, mas as europeias são sobre tudo isto e muito mais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)