Rádio Observador

Espanha

Espanha divulga fragmento de um manuscrito “emblemático da literatura medieval portuguesa

646

Trata-se de uma folha do Livro da Montaria, redigido no século XV, na corte de D. João I de Portugal. Tinha sido roubado em 1995 e recuperado em 2014. Vai ser devolvido ao Arquivo Provincial de Lugo.

O Livro da Montaria descreve ensinamentos práticos sobre a arte da cavalaria e técnicas específicas para caçar diferentes presas, sobretudo o urso e o javali

VICTOR LERENA/EFE/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Ministério da Cultura de Espanha e a Polícia Nacional apresentaram esta terça-feira em Madrid uma folha manuscrita restaurada do Livro da Montaria, redigido no século XV, na corte de D. João I de Portugal.

Trata-se de um “fragmento” de uma obra “emblemática da literatura medieval portuguesa” e “fundamental” para o estudo da arte de caçar dessa época, explicou o diretor-geral das Belas-Artes espanholas, Román Fernández-Baca.

A “preciosa” folha manuscrita, que tinha sido roubada em 1995 e recuperada em 2014, foi “restaurada, estudada e digitalizada”, e vai ser devolvida esta quinta-feira, 4 de abril, ao Arquivo Provincial de Lugo (Galiza).

O Livro da Montaria original está desde 1600 na biblioteca do colégio da Companhia de Jesus de Monforte de Lemos (concelho de Lugo). Anteriormente, pensa-se que teria sido doada a essa instituição pelo cardeal Rodrigo de Castor Osório, filho da III Condessa de Lemos, com ligações à família real portuguesa. Após a expulsão dos jesuítas de Espanha, no século XVIII, a obra desapareceu e foi considerada destruída.

O Livro da Montaria, escrito por iniciativa direta do rei João I, entre 1415 e 1433, descreve ensinamentos práticos sobre a arte da cavalaria e técnicas específicas para caçar diferentes presas, sobretudo o urso e o javali.

O livro só era conhecido através de testemunhos medievais, entre eles as referências feitas pelo filho e sucessor de João I, o rei Duarte, e pelos registos na sua biblioteca.

Até à recuperação deste manuscrito, considerava-se que havia apenas três exemplares do Livro da Montaria, todas elas cópias posteriores ao período medieval.

O mais antigo, datado de 1626 e feito a partir do livro a que pertence o fragmento hoje apresentado, está guardado na Fundação Oriente, em Lisboa.

Os dois posteriores foram elaborados em 1844 e em 1897 e estão, respetivamente, na Biblioteca Nacional de Lisboa e na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra.

“A montaria era muito importante naquela época, porque era uma forma de preparação para a guerra”, explicou Severiano Hernández, subdiretor-geral dos Arquivos Estatais.

A investigação sobre a localização do Livro da Montaria foi iniciada em fevereiro de 2014, quando o Arquivo Provincial de Lugo localizou outros 24 “fragmentos” dessa obra que tinham sido “reutilizados” para proteger vários livros com atos ou escrituras notariais feitas em Monforte de Lemos, no século XVIII.

De acordo com o que foi explicado, sendo as folhas de pergaminho mais resistentes que o papel comum, os “fragmentos” do Livro da Montaria foram utilizados para embrulhar as escrituras notariais.

“A folha recuperada foi devolvida em 2014 pela família de uma pessoa que supostamente tinha subtraído o fragmento” em 1995, disse o comissário chefe da Unidade de Delinquência Especializada e Violenta (UDEV) da Polícia Nacional espanhola, Enrique Juárez.

Escrito entre 1415 e 1433, o livro tem 70 capítulos divididos por três volumes, e estava erradamente classificado como contendo um texto musical.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)