São Tomé e Príncipe

FIDA anuncia 22 milhões de euros para agricultura em São Tomé e Príncipe

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola vai investir nos setores agropecuário, florestal e pesqueiro de São Tomé e Príncipe ao longo dos próximos seis anos. Financiamento é de 22 milhões.

O financiamento da FIDA visa "consolidar os resultados" ao nível da produção do cacau e apoios às cooperativas de pimenta e café

Lusa/LUSA

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) anunciou esta terça-feira um investimento de 25 milhões de dólares (22,3 milhões de euros) nos setores agropecuário, florestal e pesqueiro de São Tomé e Príncipe ao longo dos próximos seis anos.

A verba vai ser colocada à disposição do Programa de Apoio Participativo da Agricultura Comercial (PAPAC) e o financiamento foi anunciado durante a reunião de coordenação do FIDA com os parceiros para o setor da agricultura, pesca e desenvolvimento Rural, realizada esta terça-feira na capital são-tomense.

“Nossa ambição é triplicar o custo do PAPAC e levar esse novo projeto a um orçamento de 25 milhões de dólares”, acrescentou Bernard Hein, responsável do FIDA, agência das Nações Unidas com sede em Roma, na capital de São Tomé e Príncipe.

Acrescentou que este financiamento visa “consolidar os resultados” ao nível da produção do cacau, apoios às cooperativas de pimenta e café, para “dar corpo aos resultados alcançados na ilha do Príncipe” e para “diversificar as fileiras para integrar o ananás, a baunilha, algumas culturas alimentares, incluindo a criação de aves domésticas e porcos”.

A reunião desta terça-feira, de coordenação com os parceiros, surge no âmbito da revisão estratégica ‘Fome Zero’ e do Plano Nacional de Investimentos da Segurança Alimentar e Nutricional do Governo são-tomense.

“Temos que avançar, temos que ser criativos e ousados, temos que lutar pela nossa visão de desenvolvimento do país e da nossa agricultura, pescas e desenvolvimento rural, disse, nesta reunião, o ministro Francisco Ramos.

O governante, com a tutela da Agricultura e Pescas, garante que o executivo pretende “reduzir progressivamente as importações”, para as substituir “por produtos locais e alargar a base produtiva através do aumento e diversificação das produções agrícolas, pecuárias e pesqueiras e das exportações”.

O primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, que discursou na abertura do evento, pediu a contribuição dos parceiros e quadros técnicos nacionais para encontrarem “uma terapia” para impulsionar a produção agrícola do país.

“Estamos todos aqui como um corpo de médicos a volta do paciente não só para diagnosticar, mas também pare encontrar terapia viável e sustentável”, disse Jorge Bom Jesus, considerando ser necessário “salvar a agricultura, salvar a economia” de São Tomé e Príncipe.

No evento foi apresentado um diagnóstico do setor agrícola, pecuário, pesqueiro e florestal, bem como da situação macroeconómica e social e os grandes eixos de intervenção no setor agropecuário, florestal e das pescas.

“É um exercício que exige mobilização de sinergias, busca das melhores soluções e das melhores práticas”, disse o governante.

O executivo pretende que este encontro se realiza duas vezes por ano e acredita que até ao final da atual legislatura sejam dados “passos seguros” naquilo que considera de “revolução a fazer no setor” agropecuário.

O primeiro-ministro acredita que é possível o país tornar-se cada vez menos dependente do exterior e apelou os participantes deste evento para encontrarem mecanismos que facilitem o escoamento, exportação e internacionalização, ou pelo menos a regionalização, dos produtos nacionais.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)