Rádio Observador

Caso Lava Jato

Operação Lava Jato. Michel Temer acusado de lavagem de dinheiro

Procuradores suspeitam que dinheiro usado nas obras da casa da filha de Temer tem origem em fundos públicos, desviados. Há quatro réus no processo.

Michel Temer foi presidente do Brasil e já está a ser investigado noutros processos da Lava Jato

Fernando Bizerra Jr/EPA

O ex-presidente brasileiro, Michel Temer, foi esta terça-feira formalmente acusado pelos procuradores da Operação Lava Jato, em São Paulo, no Brasil. Com ele, estão também indiciados dos crimes de lavagem de dinheiro a sua filha Maristela Temer, o coronel já reformado da Polícia Militar , João Batista Lima Filho e a mulher, Marya Rita Fratezzi. Já no Rio de Janeiro, um juiz validou as duas acusações de que Temer era alvo pelos crimes de pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato nos casos que ficaram conhecidos como as obras da usina de Angra-3 e os contratos da Eletronuclear.

Segundo a acusação divulgada pela Procuradoria da República em São Paulo, um documento de 62 páginas assinado por oito procuradores, Michel Temer, o coronel Lima, a mulher Maria Rita Fratezi e a filha de Temer, Maristela, “praticaram crimes de lavagem de dinheiro” ao dissimularem 1,6 milhões de reais (cerca de 366,8 mil euros) provenientes do dinheiro de multas pagas ao Estado. São suspeitos de terem usado este dinheiro na remodelação de uma vivenda de Maristela em São Paulo. As obras foram mesmo pagas em dinheiro vivo: um dos fornecedores chegou a receber 100 mil reais em dinheiro vivo.

No centro deste esquema esteve a empresa Argeplan Arquitetura e Engenharia, acreditam as autoridades. Era esta a empresa que, segundo a acusação, convertia o dinheiro recebido de forma ilícita em “ativo lícito”.

Segundo o site da revista Veja, este processo foi extraído do denominado inquérito dos portos, em que foram investigados alegados pagamentos de vantagens indevidas a Temer por empresas do setor portuário em troca de benefícios atribuídos por um decreto publicado quando ele era presidente. O caso estava a ser investigado no Supremo Tribunal Federal (STF), mas foi remetido à primeira instância da Justiça paulista depois de Temer deixar a presidência e perder o foro privilegiado.

Temer e Coronel Lima juntos há mais de 30 anos

A empresa Argeplan foi criada em 1974 por um casal estranho a este processo. A mulher acabou por ceder a sua parte ao coronel Lima em 2011. No entanto, um relatório policial elaborado indica que Lima já desde 1995 controlava esta empresa, uma vez que era procurador dos sócios. Aliás, lê-se na acusação, já em 1988 esta empresa tinha feito obras para Michel Temer: uma no comité eleitoral do então deputado federal, outra na sua residência.

Aos olhos dos magistrados, nesta época “o coronel Lima já atuava como verdadeiro operador de Michel Temer, realizando atos necessários para o recebimento de propina [luvas], contratações superfaturadas e lavagem de capitais em prol de Temer”. Lima era o assessor militar do ex-presidente quando ele assumiu a Procuradoria-Geral no governo de Montoro há 37 anos e, depois, a Secretaria Pública de São Paulo. Foi nesta altura, também, que os contratos da empresa com a Administração Pública aumentaram exponencialmente.

Na acusação, que mostra mails suspeitos trocados, mensagens de telemóvel e fotografias da casa da filha do ex-chefe de estado brasileiro antes e depois das obras, os magistrados descrevem como foram usados os melhores materiais nas obras e como a mulher do coronel se responsabilizou por tudo junto dos fornecedores. Regras: era tudo pago em dinheiro vivo e os recibos eram passados em nome de Maristela. Muitos dos fornecedores ouvidos pelos procuradores desconheciam para quem estavam efetivamente a trabalhar.

Michel Temer negou sempre ter qualquer negócio com o militar que chegou a ser o seu braço direito. Maristela também alegou que as obras foram pagas com dinheiro próprio, embora tenha assumido que não tinha condições para gastar tanto numa casa e não tenha mostrado como pagou as obras.

Temer envolvido em dez processos

O nome de Michel Temer está envolvido em dez processos diferentes espalhados por Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Só dois deles foram agora confirmados por um juiz, no Rio de Janeiro. No sistema judicial brasileiro, o Ministério Público Federal profere a acusação, mas esta tem quer ser validada por um juiz — que avalia se no processo existem indícios suficientes para que os acusados sejam levados a julgamento. Só depois desta validação os suspeitos são considerados réus. Assim sendo, Temer é, neste momento, réu em dois dos dez processos de que foi alvo.

Segundo a BBC Brasil, as duas primeiras acusações contra o ex-presidente foram rejeitadas pela Câmara dos Deputados em 2017, era ele presidente. Acabaram por tramitar depois de ele deixar o cargo.

O processo que levou à detenção de Temer no último dia 21, entretanto libertado, é o denominado de usina nuclear de Angra 3.  Nesta investigação, o Ministério Público acusa Michel Temer de ter recebido dinheiro para indicar o ex-presidente da empresa estatal Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva. A Eletronuclear teria então aceitado sobrefaturar as obras contratadas com a empreiteira Engevix, e esta teria devolvido parte dos valores a Temer por meio de seu amigo pessoal João Baptista Lima Filho, o Coronel Lima, diz a BBC.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)