Mundo

Primeiro-ministro grego visita Macedónia do Norte após acordo histórico entre os dois países

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, assegurou esta terça-feira em Skopje que a Grécia será "ajudante" e "aliado" da Macedónia do Norte na pretensão de ingressar na União Europeia.

Primeiro-ministro grego e homólogo macedónio reuniram esta terça-feira em Skopje

GEORGI LICOVSKI/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, assegurou esta terça-feira em Skopje que a Grécia será “ajudante” e “aliado” da Macedónia do Norte na pretensão de ingressar na UE e afirmou que é hora de “estender pontes em vez de erguer muros”.

Na primeira vista oficial de um chefe de Governo grego a Skopje, Tsipras foi recebido como um velho amigo, numa deslocação que quebrou em definitivo as gélidas relações bilaterais que se prolongavam há mais de 25 anos, quando a ex-república jugoslava declarou a independência em 1991.

“Hoje é um dia histórico. Quando encaras o passado, vês oportunidades perdidas e tempo perdido. Quando olhas para o futuro, vês interesses e possibilidades comuns”, disse o primeiro-ministro macedónio, Zoran Zaev, numa conferência de imprensa conjunta com Tsipras após este primeiro encontro oficial.

“Hoje tentamos escrever uma nova narrativa sobre os Balcãs, sobre a História. Estamos a tentar construir uma narrativa de cooperação, entendimento mútuo e desenvolvimento conjunto. E esta será uma esperança para toda a Europa”, considerou ainda Tsipras, que prometeu a ajuda de Atenas nas ambições de Skopje em aderir à União Europeia (UE).

No decurso da desintegração da Jugoslávia federal em 1991, as relações políticas com a Grécia forma de imediato congeladas devido ao problema “emocional” da designação de República da Macedónia, o nome original incluído na Constituição deste novo país, e que Atenas rejeitava devido aos alegados receios de pretensões territoriais na região do norte da Grécia com a mesma designação e capital em Salónica.

A situação apenas foi desbloqueada em 2018, quando Skopje e Atenas assinaram o Acordo de Prespa, que permitiu resolver esta disputa.

Apesar da oposição de uma parte considerável das populações e dos protestos nas ruas em ambas as capitais, este avanço histórico permitiu que os dois primeiros-ministros fossem nomeados para o Prémio Nobel da Paz.

O novo nome acordado, “República da Macedónia do Norte”, entrou em vigor oficialmente em fevereiro após a aprovação pelos parlamentos dos dois países, e a necessária alteração da Constituição macedónia.

Esta terça-feira, os dois governos também assinaram diversos acordos nas áreas da defesa, transportes, energia, digitalização, saúde e agricultura, com a delegação grega a integrar uma dezena de ministros e mais de uma centena de empresários.

Apesar das quase três décadas de tensões políticas, diversas empresas gregas sempre estiveram presentes na então designada em termos internacionais Antiga república jugoslava da Macedónia (Fyrom), em particular na indústria petrolífera e mineira, no setor alimentar e no comércio.

“Devemos apressar-nos e salvar-nos do abismo do passado. Apesar das dificuldades, há muitas empresas gregas ativas no norte da Macedónia. Necessitamos de uma melhor cooperação no futuro”, acrescentou Tsipras.

Com uma taxa de desemprego de quase 20% na Macedónia do Norte e 18% na Grécia, a forte migração de jovens e a falta de fluxo no crédito, os analistas coincidem em que a aposta económica estará dependente de ajuda externa.

De momento, o Acordo de Prespa abriu as portas da Macedónia do Norte à NATO, e após a ratificação do protocolo firmado em fevereiro, admite-se que a integração plena possa ocorrer no final de 2019 ou inícios de 2020.

Tsipras informou que esta terça-feira também foi discutida a possibilidade de a aviação militar grega defender o espaço aéreo da Macedónia do Norte, após o seu ingresso na Aliança.

Em paralelo, a Macedónia do Norte espera obter em junho próximo a data para o início das negociações de adesão à UE, após a admissão oficial da sua candidatura em 2005, mas que permaneciam bloqueadas pela Grécia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)