Estado Islâmico

Síria. Corpos decapitados encontrados em vala comum no último território ocupado pelo Estado Islâmico

1.486

Os corpos, descobertos na localidade síria de em Baghouz, ainda não foram contabilizados mas estima-se que sejam várias dezenas. Junto das vítimas estarão enterrados os cadáveres dos próprios filhos.

O Estado Islâmico foi expulso de Baghouz há duas semanas

AHMAD AL-RUBAYE/AFP/Getty Images

Ninguém sabe o número exato. Estima-se que sejam dezenas os corpos de mulheres e homens decapitados que foram encontrados numa vala comum em Baghouz, uma cidade no nordeste da Síria e o último território ocupado pelo Estado Islâmico. Junto das vítimas acredita-se que estejam enterrados os cadáveres dos próprios filhos, de acordo com informação avançada pelo El Mundo.

Menos de duas semanas depois de as Forças Democráticas Sírias (SDF) terem anunciado “a total eliminação do autoproclamado califado e a derrota territorial de 100% do Estado Islâmico”, começaram a surgir relatos de corpos encontrados em valas comuns. O comandante das SDF, Adnan Afrin, foi um dos primeiros a encontrar os cadáveres.

Há dezenas de corpos decapitados, entre mulheres e homens, não sabemos o número exato”, explicou o oficial das Forças Democráticas da Síria ao El Mundo.

Segundo adiantou ao mesmo jornal, os corpos permanecem enterrados (pelo menos, à data de publicação do artigo original, 1 de abril) enquanto se aguardam o resultados dos testes de ADN com vista à sua identificação. As investigações preliminares apontam para que as mulheres encontradas entre as dezenas de cadáveres fossem yazidis, ou seja, seguidoras de uma religião minoritária do Médio Oriente que mistura elementos de outras crenças, como a Cristianismo, o Islão e o Zoroastrismo, que os jihadistas consideram ser “seguidores do Diabo”, escreve o El Mundo.

Sabemos que serão cerca de 50 mulheres yazidis decapitadas pelo Daesh, mas não temos muito mais informações”, disse Husein Qaedi, responsável do centro de ajuda para yazidis sequestradas, ao mesmo jornal espanhol.

Esta não é a primeira vez que foram encontrados corpos em valas comuns. Já foram localizados 68 locais onde os jihadistas enterraram os corpos das suas vítimas. De acordo com o El Mundo, a missão de desenterrá-los, identificá-los e devolvê-los aos seus familiares mal começou. Só a meio de março é que uma equipa da ONU abriu a primeira vala.

O Estado Islâmico invadiu os territórios onde se situa a cidade de Baghouz em agosto de 2014. Desde então, milhares de mulheres e crianças foram sequestradas e transformadas em escravas sexuais. “Em agosto de 2014, de acordo com nossos registos, 6.400 yazidis foram sequestrados. Os esforços deste centro conseguiram a libertar 3400 pessoas, incluindo mulheres, crianças e homens”, explicou ainda Husein Qaedi. O paradeiro das restantes três mil pessoas permanece um mistério.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)