Até se tornar lei ainda é preciso o aval da Câmara dos Lordes, mas esta quarta-feira a câmara baixa do Parlamento britânico aprovou por um voto de diferença (313-312) o documento que impede um cenário de no-deal (não acordo) no dia 12 de abril, avança a BBC.

Esta votação é uma derrota para Theresa May porque condiciona a primeira-ministra britânica a ter de pedir uma extensão à União Europeia do prazo de saída do Brexit. Caso não se consiga aprovar um acordo, a responsável do governo do Reino Unido vai ter de tentar um novo adiamento. Contudo, é sempre preciso que a União Europeia aceite o pedido.

Negociações com Corbyn deixam May debaixo de fogo amigo: “Está a arriscar abrir a porta a um Governo marxista e anti-semita”

Esta votação surge depois de May se ter reunido com Jeremy Corbyn, principal líder da oposição, quanto a este tema que tem definido os trabalhos do parlamento e governo britânicos. Segundo Corbyn, o diálogo foi “construtivo”, mas “inconclusivo”.

Esta quinta-feira há novas conversações na Câmara dos Comuns para se tentar conseguir um acordo de saída. Theresa May já afirmou que mesmo que o diálogo seja inconclusivo vai apresentar novas propostas a votos, incluindo o acordo que já foi rejeitado por este órgão.