É a primeira mulher afro-americana a ganhar a corrida à câmara municipal de Chicago. Lori Lightfoot, ex-procuradora federal norte-americana, venceu esta terça-feira as eleições municipais e tornou-se assim a primeira mulher negra, e assumidamente homossexual, a liderar aquela que é a terceira maior cidade dos EUA. Na disputa pela cidade estavam precisamente duas mulheres afro-americanas: Lightfoot e Toni Preckwinkle, fazendo desta uma corrida histórica, escreve a CNN.

De acordo com a Associated Press, Lighfoot nunca tinha sido eleita para nenhum cargo público e fê-lo agora sob o desígnio do combate à corrupção e do apoio à classe trabalhadora que, diz, “tem sido ignorada e deixada para trás”. “Juntos, vamos fazer de Chicago um sítio onde o código postal não tem o poder de determinar o destino de cada um”, disse no discurso de vitória, onde prometeu acabar com o ciclo vicioso da corrupção. “Vamos acabar com o eterno ciclo de corrupção desta cidade e nunca mais vamos permitir que os nossos políticos lucrem com posições para as quais foram eleitos”, acrescentou.

Os sinais são de mudança: “Uma cidade renascida”, onde não interessa “a raça” ou “quem amamos”, notou a nova presidente da câmara. “Hoje fizemos mais do que história, criámos um movimento de mudança”, disse. “Podemos ser estranhos uns para os outros, mas nesta cidade somos todos vizinhos”, sublinhou ainda.

Com 2.7 milhões de habitantes, Chicago torna-se assim a maior cidade norte-americana a ter uma presidente de câmara negra e lésbica, juntando-se a sete outras cidades, como Atlanta ou Nova Orleães, sendo que é apenas a segunda vez que Chicago é liderado por uma mulher. Rahm Emanuel era o mayor até aqui, mas optou por não se candidatar a um terceiro mandato dando espaço a candidaturas emergentes.