Noite Lisboeta

Coro Gulbenkian leva Karlheinz Stockhausen à discoteca Lux

146

A obra Stimmung foi composta por Karlheinz Stochkhausen em 1968. A coralista Joana Esteves acredita que é a primeira vez que o coro atua numa discoteca.

JOHN ANGELILLO / POOL/EPA

O Coro Gulbenkian apresenta na quinta e na sexta-feira, na discoteca lisboeta Lux a obra “Stimmung”, composta por Karlheinz Stockhausen em 1968. “Acho que é a primeira vez que o Coro Gulbenkian atua numa discoteca. É muito entusiasmante para nós e acho que a obra poderá funcionar num espaço como o Lux”, afirmou a coralista Joana Esteves, em declarações à agência Lusa.

A coralista, contralto em “Stimmung”, recordou que o Coro Gulbenkian estreou a obra em Portugal em outubro de 2017, no Panteão Nacional, em Lisboa, apresentando-a depois em Coimbra e, mais recentemente, em dois concertos na Fundação Calouste Gulbenkian, também em Lisboa.

“Houve agora esta oportunidade de voltarmos a fazer a obra [no âmbito da BoCA — Bienal de Artes Contemporâneas], o que para nós é um privilégio, porque é muito desafiante. Neste contexto, que é um bocadinho diferente, mas estamos bastante ansiosos por fazê-lo”, partilhou. “Stimmung”, criada em 1968 por Karlheinz Stockhausen em resposta a uma encomenda do Collegium Vocale da Rheinische Musikschule de Colónia, na Alemanha, é uma obra “peculiar, composta para seis cantores e seis microfones”.

“O foco da obra são os harmónicos vocais e gera-se um ambiente na própria obra que pode mesmo funcionar num espaço como o Lux, porque é uma obra que é amplificada. Cada um de nós, dos seis elementos, tem um microfone, que gera um ambiente que pode ser adaptado perfeitamente a um espaço como a discoteca Lux”, referiu Joana Esteves, que faz parte do Coro Gulbenkian desde 2013.

Atualmente, o Coro Gulbenkian, que se desloca frequentemente para concertos fora da Fundação, tem cerca de cem elementos, que “são chamados a participar de acordo com o tipo de programa e o número de elementos que cada obra necessita”. “Neste caso são seis, mas há obras em que é preciso o coro todo”, disse Joana Esteves.

Além de Joana Esteves, a formação do Coro Gulbenkian que irá atuar no Lux integra Mariana Moldão (soprano), Rosa Caldeira (soprano), Frederico Projecto (tenor), João Afonso (tenor) e Pedro Casanova (baixo). A programação da BoCA 2019, que está a decorrer desde 15 de março e cruza áreas artísticas, apresenta 22 estreias mundiais, e conta com a participação de 52 artistas portugueses e estrangeiros. A decorrer em Lisboa, Porto e Braga, a BoCA termina a 30 de abril.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
251

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)