História

Exposição. Quando Churchill e Estaline beberam whiskey e dividiram a Europa num pedaço de papel

291

Churchill e Estaline reuniram-se no Kremlin, noite fora, e acabaram a rabiscar uma divisão da Europa no pós-guerra. "Documento" vai agora ser exibido numa exposição nos Arquivos Nacionais, em Londres.

AFP/Getty Images

O “documento impertinente” onde Winston Churchill e Estaline propuseram as divisões da Europa de leste num cenário pós-Segunda Guerra Mundial, datado de outubro de 1944, vai ser exibido ao público pela primeira vez a partir de quinta-feira, e até 9 de novembro, numa exposição intitulada “Britain’s Cold War Revealed”, no The National Archives britânico.

Trata-se, conta o Telegraph, de uma nota rabiscada e idealizada por Churchill e Estaline numa reunião no Kremlin que se estendeu noite fora — “regada a whiskey”. Seria uma tentativa de Churchill chegar a um “acordo nominal” sobre como a Rússia e o Ocidente deveriam dividir a Hungria, a Bulgária, a Jugoslávia e a Roménia quando Hitler fosse derrotado. Escrito à mão, com a letra do primeiro-ministro britânico, lê-se a proposta de dividir a Hungria e a Jugoslávia em “50/50” e a Bulgária numa proporção de “75% para a Rússia e 25% para o Ocidente”.

No “documento”, que o próprio Churchill apelidou de “documento impertinente, não adequado ao olhar do público”, Estaline parece ter concordado com algumas das ideias ao pôr um “certo” em cima delas. Segundo Mark Dunton, curador da da exposição, Churchill estava ciente de que poderia parecer “insensível” se aqueles rabiscos fossem vistos pelo público, daí que tenha mantido em privado.

THE NATIONAL ARCHIVES/JOHN NGUYEN

“Isto foi o resultado de uma noite longa de discussões entre Churchill e Estaline. Tinham os dois uma queda para o whiskey e naquela noite estavam a tentar fazer um acordo nominal sobre as esferas de influência pós-guerra”, afirma o curador da exposição, citado pelo Telegraph. Porquê revelá-lo agora? “Porque há muito significado naquele bocado de papel — o destino de milhões de pessoas a ser eventualmente decidido nuns rabiscos feitos a caneta depois de uma reunião informal”, acrescenta.

Apesar de não ter passado do papel, Mark Dunton não tem dúvidas de que é um “documento poderoso e um incrível pedaço de história”.

A exposição, intitulada “Britain’s Cold War Revealed”, vai coincidir com o aniversário da criação da NATO, em 4 de abril de 1949, e será exibida até dia 9 de novembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)