Rádio Observador

Redes Sociais

Google+. A rede social da Google para concorrer com o Facebook morreu oficialmente

Em 2015, Google chegou a obrigar ter conta no Google+ para usar o Gmail ou YouTube. Tudo para competir com o Facebook. Falhas de segurança depois, a rede social encerra oficialmente esta terça-feira.

O Google Plus foi lançado a 28 de junho de 2011

Getty Images

Sim, a Google é uma gigante tecnológica. Tem praticamente o monopólio dos emails (com o Gmail), dos browsers (com o Chrome), do streaming online (com o YouTube), ou dos sistemas operativos móveis (com o Android). Toda a Internet foi ocupada pela Google… Toda? Não! Uma rede social povoada por milhares de milhões de utilizadores ainda resiste ao invasor. Ok, nem o Facebook nem o Twitter são uma pequena “aldeia de irredutíveis gauleses”, mas quando uma gigante tecnológica como a Google lançou o Google Plus em 2011, houve quem vaticinasse o fim destas e outras rede sociais. Não foi assim e, esta terça-feira, a Google começou a eliminar contas de utilizadores da plataforma.

A aposta da Google com o Plus era ousada, mas estava sustentada por uma empresa que, já na altura, estava à frente da inovação tecnológica na Internet. Em 2011 o Facebook ainda não tinha sequer a cronologia e o Instagram ainda não tinha sido adquirido. Numa época em que fake news não geravam grande preocupação e não se sabia ainda de casos como o da Cambridge Analytica, a Google propôs uma rede social diferente. As ferramentas da plataforma estimulavam a conversa por grupos de amigos, uma das principais apostas atuais do Facebook, e promovia-se por manter a privacidade dos utilizadores.

Na melhor altura, o Google Plus chegou a ter 111 milhões de utilizadores. Contudo, não foi suficiente para fazer frente a outras redes sociais. Para chegar a este número, a Google chegou a impor que para utilizar todos os serviços da Google os utilizadores tivessem de ter uma conta na plataforma, à semelhança do que faz atualmente com o Gmail. Contudo, ao obrigar em 2013 que fosse necessário associar uma conta da rede social a plataformas Google como o YouTube para comentar, a empresa começou a incomodar utilizadores que queriam contas separadas. Mesmo o Facebook, ao criar mais sinergias entre o Instagram e o Facebook, não optou por este caminho para conter a perda de utilizadores da rede social-mãe.

“Era um objetivo bem-intencionado, mas apercebemo-nos que levava a experiências de utilização que os utilizadores por vezes consideravam confusas”, explicava Bradley Horowitz, responsável pela Google+ ao Wall Street Journal em 2015. Ao mudar esta obrigação, no mesmo ano, o Observador escreveu ao noticiar o fim da imposição: “A rede social Google+ já não é uma prioridade”. Foi o início da queda do Google+ mas também a aceitação pela Google de que já não valia a pena concorrer desta forma com o Facebook.

Até esta terça-feira, o Google+ continuou a funcionar. O “baixo nível de utilizadores”, como afirmou a Google, não foi o suficiente para fechar de vez a rede social. No entanto, nem a Google está livre de falhas de proteção de dados e foi através do Google Plus que se descobriu que cometeu um erro grave em outubro: deixou expostos dados pessoais de cerca de meio milhão de contas. Para tentar conter o problema, suspendeu os serviços da rede social e afirmou que esta ia encerrar completamente passados 10 meses. Mas surgiu um novo impasse: dois meses depois, foi detetada uma nova falha de segurança que deixou exposta informação pessoal de 52,5 milhões de utilizadores.

“Com a descoberta deste novo erro de software, decidimos acelerar o encerramento do Google+ de agosto de 2019 para abril de 2019”, disse David Thacker, vice-presidente da gestão de produto da Google. Já não havia volta a dar. Desde dezembro começou a contagem que acabou a 2 de abril, esta terça-feira. Agora, a Google já está a apagar definitivamente toda a informação que estava ainda na rede social, um processo que vai demorar “alguns meses”, refere o The Verge. Se ainda tiver algum vídeo ou ficheiro que não tinha guardado, pode já ser tarde. O Google Plus morreu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)