Rádio Observador

Religião

Igreja do século XIV encerrada por risco de queda de blocos na Lourinhã

Os blocos que estão em risco de cair estão na zona da abóbada da igreja. Esta é um monumento gótico, erguido no século XII por um cruzado de D. Afonso Henriques e ampliada no século XIV.

MÁRIO CRUZ/LUSA

A Igreja do Castelo da Lourinhã, monumento nacional do século XIV, foi encerrada ao público por “risco de queda de blocos na zona da abóbada”, disse hoje à agência Lusa um dos vereadores da Câmara Municipal. João Serra, vereador com o pelouro das empreitadas deste município do distrito de Lisboa, disse à Lusa que estudos efetuados no âmbito da requalificação urbana da zona envolvente à igreja concluíram que existe “risco de queda de blocos na zona da abóbada” do monumento.

Após parecer pedido à Proteção Civil e após envolver paróquia e Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), foi decidido encerrar ao público a igreja, “que não pode abrir enquanto não forem minimizados os riscos”. Depois do estudo geofísico efetuado no exterior do monumento, a autarquia encomendou também a uma empresa externa um novo estudo de monitorização no seu interior e está também a fazer o levantamento das soluções de intervenção e respetivos custos.

“Queremos minimizar o risco, mas também queremos perceber porque existe esse risco”, explicou o autarca, garantindo que a autarquia “não pretende fazer intervenções que ponham em causa a igreja”. A autarquia reclamou também por uma intervenção junto da DGPC, por a igreja ser património do Estado.A Igreja do Castelo, também chamada de Igreja Matriz da Lourinhã ou Igreja de Santa Maria, é monumento nacional desde 1910.

O nome está associado ao facto de poder ter sido construída dentro das muralhas de um antigo castelo desaparecido. Terá sido erguida no século XII por D. Jordão, cruzado francês a quem D. Afonso Henriques doou as terras da Lourinhã como recompensa pelos serviços prestados na conquista de Lisboa aos mouros, e reedificada e ampliada no século XIV por D. Lourenço Vicente, Arcebispo de Braga, defensor e conselheiro próximo do Mestre de Avis durante a crise de 1383/1385.

Trata-se de um monumento gótico, com uma nave central composta por oito arcos ogivais, sustentados por monolíticas em calcário, rematadas com capitéis, trabalhados e embelezados com motivos vegetalistas. Entre outros motivos góticos, o pórtico principal possui uma rosácea da época, quatro arquivoltas com capitéis com cenas da vida familiar rural e do antigo testamento e uma porta norte ogival, com elementos decorativos alusivos aos caminhos de peregrinação a Santiago de Compostela.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)