Redes Sociais

Austrália passa a punir com pena de prisão trabalhadores de redes sociais que permitam vídeos violentos

Políticos respondem ao massacre de Christchurch impedindo vídeos com tortura, violação, rapto e homicídio online. Administradores de redes sociais que não os removam também podem ser presos 3 anos.

Homenagem às vítimas do ataque de Christchurch

Getty Images

O terrorista de Christchurch transmitiu em direto no Facebook o ataque a duas mesquitas em que matou 50 pessoas. Em resposta, a oposição e o governo australianos — país de onde o atirador era natural — introduziram a lei mais dura até hoje conhecida para combater a disseminação de vídeos violentos online.

De acordo com a nova legislação, noticiada pelo The Guardian, os trabalhadores de redes sociais que não removam “de forma atempada” vídeos e imagens de homicídios, violações, raptos e tortura podem ser punidos com penas de prisão até três anos. As plataformas passam a ser responsáveis por eliminar ativamente propaganda terrorista e imagens explícitas publicadas por utilizadores.

“Há plataformas como o YouTube, o Twitter e o Facebook que não parecem levar a sério a responsabilidade de não mostrar conteúdos aberrantemente violentos”, disse o procurador geral da Austrália, Christian Porter.  A lei Sharing of Abhorrent Violent Material passa a “prevenir e criminalizar” a falta de ação das redes sociais, explicou, dando “poder ao governo para intervir quando uma organização como o Facebook permitir que estes conteúdos sejam transmitidos em direto, ou permaneçam online durante demasiado tempo”.

O Grupo da Indústria Digital — que representa a Google, Amazon, Facebook e Twitter na Austrália — avisa que a lei foi passada sem consultar as empresas, e considera as regulamentações excessivas, particularmente por punirem uma empresa por conteúdo criado pelos seus clientes. “É injusto castigar uma organização por alguém abusar dos seus serviços“, comentou a representante do grupo, Sunita Bose, à mesma publicação.

Scott Farquhar, presidente da empresa australiana de software Atlassian, considerou ainda que a legislação seria demasiado vaga: “Da forma como foi escrita, a lei aplica-se a sites de notícias, redes sociais, serviços de encontros, boletins de trabalho. Basicamente a qualquer sítio onde um utilizador possa publicar conteúdo”. “Ninguém quer conteúdos violentos online, mas a lei não define quão rápido um vídeo tem de ser removido, nem que trabalhadores podem ser castigados se não o for”.

A regulamentação define uma multa de 10% do lucro anual de uma empresa, até um máximo de 9,35 milhões de euros. Os administradores de uma empresa passam a tomar responsabilidade legal pelos erros dos empregados da organização e podem pagar até 1,8 milhões de euros, para além de poderem ser condenados a um máximo de 3 anos de prisão.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)