Festivais de Música

Dead Combo, The Parkinsons e Go!zilla no festival “Party Sleep Repeat” de 2019

A sétima edição do festival Party Sleep Repeat levará a São João da Madeira, a 27 de abril, dez concertos por bandas portuguesas como os Dead Combo e The Parkinsons, e os italianos Go!zilla.

JOSE COELHO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Party Sleep Repeat 2017, a 27 de abril Oliva Creative Factory, contará com dez concertos por bandas portuguesas, como os Dead Combo. Também já foram anunciados os The Parkinsons e os italianos Go!zilla.

O evento terá lugar na Oliva Creative Factory e, com bilhetes a preços entre dez e 15 euros, consoante a data de aquisição, inclui usufruto gratuito da viagem de autocarro entre o Porto e São João da Madeira, em dois horários diferentes e sempre mediante reserva prévia.

Parte da receita do festival volta a ser dedicada a duas causas sociais: a Liga Portuguesa Contra o Cancro e o projeto “Apadrinhe Esta Ideia”, com que a associação Ecos Urbanos apoia famílias locais economicamente vulneráveis.

Quanto às bandas em palco, fonte da organização diz que a edição de 2019 se faz com “nomes estruturantes da música nacional e os melhores artistas emergentes entre Portugal e Itália” – todos distribuídos por três palcos, a partir das 16:00.

Os cabeça-de-cartaz são os Dead Combo e irão apostar em temas do seu mais recente álbum, “Odéon Hotel”, que contou com a participação de músicos convidados como o norte-americano Mark Lenegan, que aí deu voz a um poema escrito por Fernando Pessoa.

Os The Parkinsons, por sua vez, vêm dividindo a carreira entre Portugal e o Reino Unido, e são apontados como “uma das melhores bandas punk-rock a surgir no circuito musical britânico no começo deste século”, atuando na Oliva no dia em que se cumpre um ano sobre a edição do disco “The Shape of Nothing to Come”.

Já os italianos Go!zilla incluem São João da Madeira na digressão que prevê “cerca de 450 concertos pela Europa e pelos Estados Unidos da América” para apresentação do álbum “Modern Jungle’s Prisioners”, que envolve vários géneros, em rock psicadélico.

O Party Sleep Repeat contará ainda com os Glockenwise, que, depois de três álbuns originais em Inglês, apostaram em “Plástico” para explorar letras em Português e reforçaram a banda com mais músicos, consolidando assim uma sonoridade “arrojada e contagiante”.

O Conjunto Corona dará a conhecer os temas do trabalho “Santa Rita Lifestyle”, os Jiboia vão explorar o conceito de música universal com o rock e jazz do álbum “OOOO”, e o coletivo “O Galo Cant’Às Duas” apresentará o beat e as harmonias do disco “Cabo da Boa Esperança”.

As outras três bandas a passar pela Oliva no dia 27 são: os Astrodome, que têm dado a conhecer à Europa a “psicadelia magistral” do rock instrumental; os Melquiades, que em “Oyster Eggs” cruzam “rock alternativo, post-rock, math e música étnica e latina”; e os Cumbadélica, que reúnem “culturas de diferentes regiões do mundo”, num ‘set’ de música étnica com “ambiente de ritual”.

O “Party Sleep Repeat” é definido pela respetiva organização como “um festival de tributo a Luís Lima”, jovem de São João da Madeira que, tendo falecido vítima de cancro em 2012, vem sendo recordado por familiares e amigos como cidadão “profundamente interessado e proativo em relação à cultura e à solidariedade”.

Da sua morte resultou a Associação Cultural Luís Lima, que em 2013 assumiu a organização do Party Sleep Repeat e, entretanto, já acumulou três distinções no âmbito dos Iberian Festival Awards: o título de Melhor Festival Indoor da Península Ibérica, em 2016, o de Melhor Festival Português de Pequena Dimensão, em 2017, e o de Melhor Festival Ibérico de Pequena Dimensão, em 2018.

O festival vem apoiando diferentes instituições desde a sua criação em 2013, e, uma vez recuperada a despesa com a própria realização do evento, já encaminhou para essas causas sociais mais de 30.000 euros da sua receita.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)