Rádio Observador

Eutanásia

Libertado o espanhol que foi detido por ajudar a mulher com esclerose múltipla a morrer

1.669

Com esclerose múltipla há 30 anos e em grande sofrimento, María pediu a Ángel que a ajudasse a morrer. O único medo que tinha era o de o marido ser preso. Aconteceu na quarta-feira e já foi libertado.

Imagem retirada da reportagem em vídeo feita pelo El País com Ángel e María José

Um homem espanhol foi detido esta quarta-feira por ter ajudado a sua esposa, com esclerose múltipla, a cometer suicídio. Esta quinta-feira, após interrogado, foi libertado sem medida de coação. De acordo com o El País, Ángel Hernández, de 69 anos, preparou e deu a María José Carrasco, de 61, uma bebida de pentobarbital para provocar a morte da mulher — que tinha pedido ao marido que o fizesse quando ela já não suportasse o sofrimento causado pela doença.

O jornal espanhol já tinha feito uma reportagem na casa daquele casal, em outubro do ano passado. Na altura, a mulher, já em sofrimento visível, dizia que apenas estava viva porque tinha medo do que poderia acontecer ao marido caso a ajudasse a morrer. “Ele não tem medo, mas eu tenho”, disse a mulher. María José sabia que o marido poderia ser preso caso a ajudasse a morrer. Ainda assim, desabafava: “Quero o final o quanto antes”.

E foi o que aconteceu nesta quarta-feira. O casal já tinha tudo preparado para quando chegasse o momento em que a mulher, que estava paralisada e quase cega e surda, e que deixou de conseguir comer, lhe pedisse para lhe dar a bebida. E Ángel não o quis fazer às escondidas. “Sempre disse que não ia fazê-lo de forma encoberta, que queria dar luz ao tema”, disse a advogada do homem ao jornal.

Ángel decidiu gravar tudo em vídeo — “para que se visse o sofrimento e o abandono em que estavam” — e divulgou-o. Assim que deu a bebida à mulher, que adormeceu e morreu de seguida, Ángel telefonou aos serviços de emergência e contou o que tinha acabado de fazer, para que viessem auxiliá-lo. Foi detido de imediato pela polícia e encontra-se neste momento sob custódia das autoridades. Está à espera de ser colocado em liberdade pelo juiz.

O Código Penal espanhol prevê uma pena de prisão entre seis meses e dois anos para Ángel, por ter “causado ou cooperado ativamente com atos necessários e diretos à morte de outro, pelo pedido expresso, sério e inequívoco deste, no caso de a vítima sofrer de uma doença grave que conduziria necessariamente à sua morte, ou que produziria graves sofrimentos permanentes e difíceis de suportar”.

Isto, explica o El País, serve como atenuante à pena, apesar de a eutanásia ser proibida no país. “Em Espanha, apesar de a eutanásia ser proibida, o Código Penal tem em conta a compaixão e introduz uma atenuante muito privilegiada”, sublinha o jurista espanhol Federico de Montalvo, presidente do Comité Espanhol de Bioética àquele jornal.

A associação espanhola “Derecho a Morir Dignamente” está a auxiliar Ángel na sequência da morte da esposa e explicou ao El País que este é o primeiro caso no país desde a morte de Ramón Sampedro, em 1998. Na altura, Sampedro, tetraplégico desde os 25 anos, tornou-se num símbolo da luta pelo direito à morte digna em Espanha.

Atualizado às 21h08 com a informação de que Ángel Hernández foi libertado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)