Rádio Observador

Acidentes de Aviação

“Puxa para cima”. Os seis minutos em que os pilotos do Boeing 737 MAX 8 tentaram recuperar o controlo do avião

Durante o tempo em que estiveram no ar, os pilotos do Boeing 737 MAX 8 tentaram recuperar o controlo e puxar o nariz do avião para cima. Mas o sistema automático continuou a forçar a descida.

STR/EPA

70 segundos. Foi este o tempo após a descolagem que um dos sensores do Boeing 737 MAX 8 utilizado pela Ethiopian Airlines demorou a enviar informações erradas ao sistema do avião que, minutos depois, acabou por se despenhar na Etiópia, matando 157 pessoas. Esta foi uma das conclusões do relatório preliminar apresentado esta quinta-feira, que revelou que o acidente terá sido causado pelo sistema automático de compensação do avião, o MCAS.

Durante os seis minutos em que estiveram no ar, os dois pilotos lutaram contra este sistema automático e aplicaram todos os procedimentos recomendados pela Boeing para voltar a ter o controlo do sistema. Juntos, tentaram “puxar” o nariz do avião para cima, uma vez que os valores enviados pelos sensores estavam a fazer com que o nariz do avião fosse baixando gradualmente. Os pilotos tentaram recuperar o controlo quatro vezes, mas nas quatro tentativas a aeronave voltou a baixar. “Puxa para cima”, gritou um dos pilotos três vezes. Mas, a força descendente do avião era tal, que não conseguiram recuperar o controlo, conta a CNN, que teve acesso ao relatório preliminar.

Apesar de o relatório não abordar especificamente o sistema MCAS, que é ativado de forma automática e aplica um estabilizador horizontal quando a aeronave entra em situação de queda ou perda de sustentação, a desconfiança levantada por todos os resultados obtidos indicam um problema com este sistema. Caso se venha a confirmar este motivo, terá sido o mesmo problema do Boeing 737 MAX 8 da Lion Air que em outubro do ano passado se despenhou na Indonésia, provocando 189 vítimas mortais.

No mês passado, o diretor executivo da Ethiopian Airlines revelou ao Wall Street Journal que um dos pilotos reportou à torre de controlo minutos antes do avião cair que estava a ter problemas no sistema de controlo. O piloto “reportou aos controladores de tráfego aéreo que estava ter problemas no controlo do voo”, explicou Tewolde GebreMariam. Depois de reportar esses problemas, os dois pilotos tiveram autorização para regressar ao aeroporto.

Este foi o segundo acidente com um Boeing 737 MAX 8 num espaço de cinco meses. O facto de ter acontecido com o mesmo modelo de avião da Beoing fez com que várias companhias aéreas de todo o mundo temessem a segurança destes aparelhos e, por isso, suspendessem os voos com este aparelho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)