Rádio Observador

Banco Mundial

Banco Mundial elege David Malpass como novo presidente

Foi o candidato único proposto por Donald Trump e é grande crítico das instituições internacionais. Eis o novo líder do Banco Mundial, que iniciará funções na próxima semana.

WU HONG/EPA

O conselho executivo do Banco Mundial elegeu hoje como presidente David Malpass, candidato único proposto por Donald Trump e crítico das instituições internacionais, que iniciará funções na próxima semana.

David Malpass, norte-americano de 63 anos, será presidente do Banco Mundial a partir de 09 de abril e durante cinco anos, ao substituir o sul-coreano Jim Yong Kim, que anunciou a sua saída do organismo em janeiro.

O anúncio realiza-se na semana anterior às reuniões de primavera entre o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que decorrerão em Washington. “O processo incluiu uma nomeação aberta e transparente onde qualquer cidadão dos membros do banco poderia ser proposto por qualquer diretor executivo ou governador. Seguiu-se uma exaustiva diligência e uma entrevista ampla com o senhor Malpass pelo conselho executivo”, indicou o Banco Mundial em comunicado citado pela agência Efe.

Só os Estados Unidos apresentaram candidato, e nenhum outro país ofereceu uma alternativa para presidir à principal instituição financeira dedicada ao desenvolvimento global. David Malpass era até agora subsecretário de Estado para os Assuntos Internacionais no Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.

Crítico das instituições internacionais, como o Banco Mundial e o FMI, e com uma ampla experiência política em Washington e em finanças em Wall Street, Malpass suavizou o seu discurso nas últimas semanas, após ser proposto para o cargo pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O economista foi uma das primeiras designações de Trump ao chegar à Casa Branca e fez parte do conselho de assessores económicos da sua campanha eleitoral.

Na sua etapa no Tesouro, o novo presidente do Banco Mundial deu algumas mostras de compromisso, já que foi um dos responsáveis pela decisão de o país aprovar um aumento de capital de 13.000 milhões de dólares (cerca de 11.595 milhões de euros) para o organismo a que agora presidirá, algo a que se tinha oposto no princípio do seu mandato.

Em 2017, segundo a agência France-Presse, David Malpass não hesitou em criticar publicamente as instituições internacionais, julgando-as dispensáveis, “não muito eficazes” e “por vezes corrompidas nas suas práticas de financiamento”.

Mais recentemente, interrogado sobre quais seriam as suas prioridades se fosse eleito para presidir ao Banco Mundial, Malpass indicou que queria recentrar a instituição “no coração da sua missão”, indicando como necessária a saída da pobreza por parte dos países mais pobres e a redução do acesso ao crédito de países mais desenvolvidos, como a China.

Fundado em 1944 e a celebrar 75 anos em 2019, juntamente com o FMI, no marco dos acordos de Bretton Woods, a tradição tem revelado que os Estados Unidos nomeiam o presidente do Banco Mundial, enquanto a Europa escolhe o cargo de diretor do FMI, atualmente dirigido pela francesa Christine Lagarde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)