Guiné Equatorial

Petrolíferas africanas têm de acordar, diz ministro da Guiné Equatorial

Ministro das Minas e Hidrocarbonetos da Guiné Equatorial apelou às companhias petrolíferas africanas para que acordem e reclamem soberania sobre os seus recursos naturais.

DIAMOND OFFSHORE DRILLING INTERNATIONAL / HANDOUT/EPA

O ministro das Minas e Hidrocarbonetos da Guiné Equatorial, Gabriel Mbanga Obiang Lima, exortou esta sexta-feira as companhias petrolíferas africanas a acordarem e reclamarem soberania sobre os seus recursos naturais.

“As companhias petrolíferas nacionais africanas precisam de acordar, estão em coma”, disse Gabriel Obiang Lima, acrescentando: “A Associação Africana de Produtores de Petróleo precisa de ter dentes, nós dependemos do petróleo”.

“Outros países estão a dizer-nos que precisamos de usar o petróleo de forma mais responsável, mas quem está lá para defender o nosso nome? Temos de o fazer nós próprios. Se outras pessoas decidem que é só energia solar ou eólica, quais de nós vão sobreviver? Eu não vou sobreviver com tomates e vento, quem nos vai defender?”, questionou o governante.

O discurso de Gabriel Obiang Lima foi proferido na conferência da Associação Africana de Países Produtores de Petróleo, que terminou hoje em Malabo, capital da Guiné Equatorial, e ficou marcado pela defesa de mais ação por parte das petrolíferas africanas, exigindo que sejam mais proativas relativamente à exploração, desenvolvimento e utilização dos recursos naturais.

“Precisamos de garantir que defendemos o nosso produto. O petróleo e gás têm sido muito bons para a Guiné Equatorial, temos desenvolvido o país graças ao petróleo, não foi o cacau, nem foi a ajuda internacional”, salientou o ministro das Minas e Hidrocarbonetos.

“É muito importante que os países africanos que tenham recursos acordem. Nós somos o único continente que está a fazer descobertas a seguir a descobertas, mês após mês, no Senegal, Moçambique, Gabão, Nigéria, Guiné Equatorial… Os maiores recursos do mundo estão em África”, concluiu o governante.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Rebeldes, separatistas e equívocos

Diogo Noivo

Para precaver reincidências, importa chamar as coisas pelos nomes. No referente à ETA, as palavras “rebeldes” e “separatistas” são equívocos que devem ser evitados, pois foi uma organização terrorista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)