José António Vieira da Silva considera que não há nenhum problema em que a sua filha seja ministra no mesmo Governo. Em declarações aos jornalistas, citadas pela SIC, o ministro do Trabalho e da Segurança Social, que é pai da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, defendeu que a filha não chegou ao cargo por ser sua filha, mas “apesar de o ser”.

O ministro do Trabalho e Segurança Social falou aos jornalistas esta sexta-feira à tarde, após uma reunião do Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa. Não comentando casos como o do secretário de Estado do Ambiente que nomeou um primo para seu adjunto — revelado pelo Observador –, preferindo também não esclarecer a sua posição de princípio sobre a coexistência de familiares em organismos públicos ou no interior de um Governo, Vieira da Silva optou antes por se focar no seu caso pessoal.

Não nomeio ministros, escolho secretários de Estado. Quem nomeia ministros é o primeiro-ministro, nem sequer tenho interferência nesse processo. Quem me conhece sabe bem que é assim, não tenho interferência nenhuma”, garantiu.

Dizendo que é apenas “a segunda vez” que é questionado sobre eventuais problemas éticos que a sua coexistência com a sua filha no Conselho de Ministros possa colocar, “apesar de ela aparentemente ser tão mediática”, José Vieira da Silva afirmou: “Se a minha filha é membro do Governo não é por ser minha filha. É apesar de ser minha filha”.