Rádio Observador

Filosofia

Agostinho da Silva: da heterodoxia à Humanidade

411

O filósofo português morreu há 25 anos. Carlos Maria Bobone recorda-o como o pensador da inquietude, do sobressalto, da inconstância, que usava a filosofia de um modo diferente.

Autor
  • Carlos Maria Bobone

De Agostinho da Silva, que morreu a 3 de Abril de 1994 aos 88 anos, ficou mais a figura do que o pensamento. As barbas moisaicas, a postura cenobítica, a grave brancura dos poucos cabelos, tudo contribuiu para fazer de Agostinho da Silva a grande descoberta da etnografia filosófica recente. Em Portugal, ou pelo menos por vezes em Portugal, tinha-se descoberto o fóssil vivo de Diógenes ou de Sócrates, o filósofo excêntrico, com a candeia a pender, ora para a genialidade, ora para a loucura, com alma de professor e coração de aprendiz.

Agostinho da Silva ficou como relíquia museológica e como pedagogo; de facto, quer num papel quer no outro, é actor de primeira. Se o aspecto quadra com o de sábio louco, a acção é a de um raro e apaixonado professor. Do ensino popular aos escritos de divulgação, é esta faceta augustiniana que pode ter um efeito mais duradouro na cultura portuguesa. É certo que as biografias de Pasteur ou de Da Vinci não são as mais completas; no entanto, cumprem o objectivo de Agostinho: mais do que um estudo aprofundado, são introduções simples que exortam a um amor pela cultura e pela sabedoria.

Agostinho da Silva mantém sempre a postura, algo ingénua mas ao mesmo tempo simpática, de quem olha para a vida como um acontecimento misterioso que tem tendência a ser abafado pelo conforto. Há sempre, em Agostinho da Silva, aquela paixão pela inquietude, pelo desassossego, que move em direcção a um estado de coisas diferente daquele que temos.

É certo que, no pensamento ocidental, esta inquietude tem sido olhada de uma maneira um pouco diferente. Para Santo Agostinho, como para Platão ou para Kierkegaard, a inquietude não é uma aspiração, é uma evidência. Ou seja, o conforto do Homem não é um conforto verdadeiro, é a expressão de um coração inquieto que saltita de prazer em prazer sem que nada lhe traga verdadeira satisfação. O papel da filosofia está em dar a ver esta inquietação, para que o Homem se volte para aquilo que verdadeiramente acalma o desejo.

Para Agostinho da Silva, este desassossego parece mais um fim do que uma verdade sobre o Homem. Agostinho da Silva parece gostar daquilo que a filosofia antiga procurava fugir: gosta da inquietude, do sobressalto, da inconstância e isto faz dele um pensador que está constantemente a entrar nas categorias da filosofia, mas que as usa com um propósito diferente.

O caso da inquietação não é caso único: mesmo a sua interpretação de Portugal é feita deste modo. Para Agostinho da Silva, a grandeza de Portugal está na sua diluição. O Império português não é um Império de facção, é um império com o espírito universal da Igreja católica, um espírito de que, segundo Agostinho, a própria Igreja se esqueceu e o substituiu por um corpo doutrinário estanque. A ideia de Portugal, para Agostinho da Silva, é a ideia de heterodoxia, da harmonização de todo o mundo, de, como ele explica no seu Um Fernando Pessoa, um Império que não se preocupa com formas de governo ou com religiões, existindo por si e não por aquilo que o compõe. Mais uma vez, manifesta-se nele o espírito de pedagogo, o espírito que procura ensinar com a mesma nobreza todos os assuntos e os seus contrários, que procura a síntese e que salta sem pestanejar por cima de barricadas aparentemente intransponíveis.

Ora, o problema desta forma de pensar é que, na sua tentativa de harmonizar tudo, pode acabar por excluir também tudo. Veja-se o caso da religião: por muito que um pensador advogue que, mais do que uma ou outra religião, interessa o sentimento religioso e que, por isso, todas têm a sua verdade, a ideia, numa religião, da sua exclusividade é incompatível com a harmonia. Se, para um Cristão, Deus se revelou na doutrina da Igreja, não há igualdade entre esta doutrina e a doutrina do Islão. O espírito de heterodoxia ou a tentativa de eliminar o princípio de contradição podem ser elementos importantes para criar uma consciência crítica; mas, mais uma vez, não podem ser um fim. Um espírito verdadeiramente heterodoxo nunca se reconhece como tal porque, obviamente, acha que os seus pensamentos estão certos, são ortodoxos. Só é permanentemente heterodoxo quem não tem ideias e, por isso, pode professar todas à vez, sem realmente acreditar em nenhuma.

Para um professor, esta até pode ser uma qualidade, e uma das qualidades que mais engrandeceu a figura de Agostinho da Silva; mas para um homem, a heterodoxia nunca pode ser mais do que uma recordação, simpática ou não, dos tempos de uma infância filosófica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)