Rádio Observador

Violência

Aluno que bateu em professor está suspenso, mas escola diz estar de “mãos atadas”

2.951

Direção da escola diz que não pode fazer mais nada e que não pode expulsar aluno. Ministério da Educação diz que foi instaurado processo disciplinar ao estudante de 12 anos.

Aluno tinha historial de mau comportamento, mas nada fazia prever o sucedido. Professor foi brutalmente agredido

Getty Images

O aluno de 12 anos que agrediu um professor numa escola básica do Porto foi suspenso preventivamente. A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias (conteúdo para assinantes), na sua edição impressa, que cita fonte oficial do Ministério da Educação. Segundo o diário, a tutela instaurou um processo disciplinar ao estudante e o caso está a ser investigado também pelo Ministério Público.

Na semana passada, um aluno da Escola Básica Francisco Torrinha agrediu um professor de 63 anos em plena sala de aula, com socos e pontapés, caso que foi também comunicado à PSP.

Agora, o caso deu origem a um inquérito tutelar educativo no Ministério Público do Juízo de Família e Menores do Porto, segundo comunicado da Procuradoria Geral da República. Este tipo de inquérito equivale aos inquérito-crime para adultos e acontecem quando estão em causa factos qualificados como crimes praticados por menores entre os 12 e os 16 anos.

Também a Comissão de Proteção de Menores foi alertada.

Historial de mau comportamento

Tudo aconteceu quando o estudante do 6.º ano, na brincadeira, atirou uma bola para dentro da sala, partindo uma das lâmpadas. O professor, que já estava na sala, pediu a uma funcionária para varrer os pedaços de vidros e repreendeu o jovem, que já tem um historial de mau comportamento. O estudante foi avisado de que, provavelmente, teria de pagar o material que danificou, mas este voltou a brincar com a bola.

O professor acabou por confiscar o brinquedo, pousando a bola em cima da sua secretária.

Saltando por cima das mesas, o aluno “tentou chegar à bola e, vendo-se impossibilitado de lá chegar, começou a empurrar o professor, dando-lhe de seguida murros e pontapés”, explicou ao JN Ernesto Pereira, que também é professor naquela escola. Depois de ser levado até à direção de turma, o rapaz “desferiu um forte pontapé” nos testículos do professor, Aurélio Terra, que caiu no chão com dores.

Já depois do final da aula, o aluno ainda deu um murro na testa do docente que dá aulas de Educação Visual e de Educação Cívica, e ao passar por um funcionário disse: “Já lhe parti o focinho.”

O diretor do agrupamento Garcia de Orta, ao qual pertence a Escola da Torrinha, garantiu que este “é um caso isolado num estabelecimento escolar tranquilo” e que será foi aberto um inquérito interno para se apurar as circunstâncias da agressão.

Na quinta-feira, professores e direção da escola reuniram-se para discutir o caso. Mas a conclusão a que chegaram é que estão “de mãos atadas”, já que a escola não pode expulsar ou transferir o estudante em causa, disse Ernesto Pereira, citado pelo JN. “A direção vai ter de recorrer ao Ministério da Educação para que se encontre uma solução para este caso”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)