Rádio Observador

Aston Martin

Ferrari acusa Aston Martin de “imitação”

No capítulo dos superdesportivos, com cerca de 800 cv, a Ferrari possui uma imagem invejável. Tem a concorrência da Lamborghini, McLaren e pouco mais. Agora acolhe a Aston Martin e diz-se lisonjeada…

A Ferrari é o mais emblemático fabricante de superdesportivos, veículos agressivos e com motores a rondar os 800 cv, capazes de serem simultaneamente rápidos a acelerar, velozes em recta e extremamente eficazes em curva. Mas a concorrência aperta, sobretudo com a Lamborghini e a McLaren a disputarem cada vez mais o mercado vocacionado para satisfazer os condutores que buscam emoções fortes por valores em redor dos 400.000 euros.

Depois do recente Salão de Genebra, no início de Março, a Aston Martin confirmou que está em vias de começar com as entregas das 150 unidades do Valkyrie (mais as 25 AMR Pro, só para pista), com 1.176 cv e um preço de 2,85 milhões de euros, antes de impostos. Posto isto, estavam reunidas as condições para introduzir – e começar a angariar clientes – o “irmão mais pequeno” do Valkyrie, que surgiu no certame suíço como Aston Martin 003.

Daí que seja (no mínimo) curiosa a recepção que o CEO da Ferrari, Louis Camallieri, decidiu fazer ao Aston Martin 003 quando, em declarações à Autocar, afirmou:

A imitação é a melhor forma de elogio e nós sentimo-nos lisonjeados.”

Além de mais pequeno do que o Valkyrie, o 003 troca o motor 6.5 V12 atmosférico construído pela Cosworth por um V6 sobrealimentado com 800 cv, substancialmente simples para tornar o modelo mais acessível. Para isto contribui igualmente o facto de a marca ter como objectivo fabricar 500 unidades do 003, o que o faz entrar em rota de colisão com o Ferrari 488 Pista e o F8 Tributo.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)