Rádio Observador

Futebol

Manchester City de Bernardo Silva vence Brighton e está na final da Taça de Inglaterra

Gabriel Jesus marcou o único golo da meia-final com o Brighton e o Man. City está na final da Taça de Inglaterra. Bernardo foi titular e o adversário da final pode ser o Wolves de Nuno Espírito Santo.

Gabriel Jesus marcou o único golo da partida

Getty Images

A festa da Taça não se faz só em Portugal. Ainda que esta temporada o Jamor vá assistir a uma final entre dois dos “grandes” do futebol português, a verdade é que a Taça de Portugal leva muitas equipas teoricamente mais modestas até fases bem avançadas da competição. Basta olhar para o ano passado: o Caldas chegou às meias-finais e o Desp. Aves acabou por bater o Sporting na final e levar o troféu. Esse fenómeno, porém, extrapola fronteiras e faz com que a festa da Taça possa ser inglesa, espanhola, italiana ou francesa.

Em Inglaterra, à semelhança do que aconteceu na temporada passada em Portugal, chegaram às meias-finais da Taça várias equipas que, em teoria, deveriam ter caído ao longo do caminho: o Brighton, que ainda luta pela manutenção na Premier League, o Wolverhampton, que apenas na época passada jogava no segundo escalão do futebol inglês, e o Watford. Sobra então o Manchester City, que este sábado jogava com o Brighton em Wembley e era o grande favorito para chegar à final da Taça de Inglaterra.

Face à ausência de Agüero, devido a lesão, Gabriel Jesus assumia a dianteira dos citizens, apoiado por Bernardo Silva na direita e Sterling na esquerda. O avançado mostrou serviço logo aos quatro minutos, quando De Bruyne puxou um cruzamento que parecia uma jogada de PlayStation e deixou a bola perfeitinha para o brasileiro mergulhar e inaugurar o marcador. O City entrava em Wembley com força e sem pezinhos de lã, com a afirmação clara de que o objetivo era chegar à final e não ter de sofrer muito até lá.

O conjunto orientado por Pep Guardiola foi para o intervalo com a certeza da margem mínima e sem se ter esforçado muito para a aumentar, com Bernardo Silva a realizar uma exibição algo discreta e abaixo dos níveis normais. O golo de Gabriel Jesus, porém, deixava o Manchester City descansado e com um pé na final de Wembley. A segunda parte pouco ou nada de novo trouxe, à exceção de um lance de perigo do Brighton (53′) e de uma jogada de Sterling que podia ter dado o segundo golo do City (63′), mas a verdade é que Guardiola geriu a segunda metade da meia-final já a pensar no jogo da próxima terça-feira, com o Tottenham, a contar para os quartos de final da Liga dos Campeões.

O Manchester City está na final da Taça de Inglaterra, confirmou o favoritismo — seguiu em frente em 11 das 13 meias-finais da Taça que já disputou — e fica agora à espera de saber quem será o oponente no jogo derradeiro em Wembley: se o Wolverhampton de Nuno Espírito Santo e restante comitiva portuguesa, se o Watford. As duas equipas decidem a segunda meia-final este domingo, a partir das 16h30.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)