Saúde

Processo disciplinar a médico por aconselhar mãe a recusar cirurgia marcada para o filho

111

A mãe relata que o médico, que não acompanhava a criança, terá obtido o seu número de telefone através da direção da escola do filho e tentou convencê-la a não fazer a cirurgia.

Criança era seguida no serviço de otorrinolaringologia. Médico disse à mãe que a equipa não tinha capacidade para fazer a operação

Getty Images

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Centro Hospitalar Lisboa Norte abriu um processo disciplinar a um médico otorrino que alegadamente aconselhou a mãe de um doente a não aceitar a cirurgia ao seu filho porque a equipa não saberia realizar a operação.

Numa carta enviada à Ordem dos Médicos, a que a agência Lusa teve acesso, a administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte — CHULN (a que pertence ao Santa Maria) relata que instaurou um processo disciplinar a um médico do serviço de otorrinolaringologia que terá tentado dissuadir a mãe de uma criança de 11 anos de aceitar a realização de uma cirurgia que estava prevista e marcada. A criança acabou por ser submetida à operação, que consistia na colocação de um implante coclear, no dia 25 de março.

A mãe do doente informou por escrito a diretora clínica do hospital de que o médico em causa a contactou dias antes da cirurgia a indicar que não aceitasse a operação, “porque a equipa (…) não sabe fazer a cirurgia”, segundo a carta a que a Lusa teve acesso. A mãe relata ainda que o médico, que não acompanhava a criança, terá obtido o seu número de telefone através da direção da escola do filho, depois de tentar, sem sucesso, consegui-lo através da assistente social.

A agência Lusa contactou a administração do CHULN, que se escusou por enquanto a dar esclarecimentos porque decorre o processo disciplinar.

Segundo fontes hospitalares, a cirurgia à criança de 11 anos decorreu bem e na operação participaram três profissionais do Centro Hospitalar Lisboa Norte (Santa Maria) e dois do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, sendo dois deles os diretores de serviço de otorrino dos dois hospitais. O Centro Hospitalar de Coimbra é um centro de referência na área dos implantes cocleares e está a trabalhar em rede com o Centro Hospitalar Lisboa Norte.

Contactado pela Lusa, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, afirma que ainda não teve oportunidade de ler a carta enviada pelo Centro Hospitalar Lisboa Norte, mas, pelo que lhe foi transmitido, adianta que “a situação é preocupante e tem de ser analisada e esclarecida”.

O serviço de otorrino do Santa Maria tem estado envolvido em polémica desde que, em 2016, foi nomeado Leonel Luís como diretor de serviço. Em finais de 2017, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul apresentou uma denúncia no Ministério Público e autoridades de saúde contra o diretor do serviço de otorrinolaringologia, que acusa de irregularidades e perseguição.

No ano passado foi a vez de o diretor do serviço entregar no Ministério Público uma queixa crime por difamação e denúncia caluniosa contra a direção do Sindicato dos Médicos da Zona Sul e contra cinco colegas otorrinolaringologistas.

Fontes ligadas ao processo adiantaram à agência Lusa que o processo disciplinar agora instaurado pela administração visa um desses cinco colegas, médico que terá alegadamente obtido de forma indevida o contacto da mãe de um doente e terá tentado convencê-la a não realizar a cirurgia.

Também no ano passado, a Ordem dos Médicos decidiu que o Hospital Santa Maria tinha suspensa a sua autorização para formar internos na especialidade de otorrinolaringologia “por não estarem reunidas as condições exigíveis”. A Ordem prometeu uma avaliação no prazo de 12 meses, que estarão quase a esgotar-se.

À Lusa, o bastonário Miguel Guimarães indicou ter já solicitado ao colégio de especialidade de otorrino que avaliasse a capacidade formativa, tendo feito o mesmo pedido ao colégio de pneumologia em relação à idoneidade formativa (capacidade de formar internos) no hospital Pulido Valente, também pertencente ao Centro Hospitalar Lisboa Norte.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)