Rádio Observador

Violência Doméstica

Relação de Guimarães reduz pena de prisão de ex-GNR que agrediu mulher e filha

959

Um ex-GNR agrediu a mulher à bofetada e ao pontapé, durante 12 anos de vida conjugal. Tinha sido condenado a quatro anos de prisão efetiva. A Relação de Guimarães reduziu para três anos.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Tribunal da Relação de Guimarães reduziu de quatro para três anos de prisão efetiva a pena de um ex-GNR que agrediu a mulher à bofetada e ao pontapé, durante 12 anos de vida conjugal. A pena diz respeito a dois crimes de violência doméstica, já que, além da mulher, o arguido também agrediu uma filha menor do casal.

Segundo acórdão de 11 de março, consultado este domingo pela Lusa, uma das agressões aconteceu porque o homem não gostou que a mulher, grávida na altura, tivesse comido umas bananas que ele tinha comprado.

O arguido ficou furioso e empurrou a mulher para umas escadas, dentro da residência, tendo esta caído pelos degraus abaixo, ficando com hematomas no corpo”, lê-se no acórdão.

Noutra ocasião, e ainda segundo os factos dados como provados, o arguido não gostou de ver a mulher com o comando da televisão na mão e desferiu-lhe bofetadas e pontapés, “que a atingiram em todo o corpo”, tendo-lhe ainda colocado “um pé em cima do pescoço”.

As agressões só pararam quando a mulher conseguiu desferir uma pancada na perna do arguido com um objeto em louça.

“Durante 12 anos, o arguido desferiu bofetadas e pontapés na ofendida mulher”, refere ainda o acórdão, dando também como provadas agressões verbais igualmente desde o início da relação.

Segundo o tribunal, o arguido também agrediu uma filha menor, designadamente com vassouradas nas costas e num braço, “fazendo-o com tanta força que partiu a vassoura”.

O arguido obrigava a menor a fazer a limpeza da casa e, quando não ficava como ele queria, dava-lhe pancadas e ficava nervoso, dizendo que a mataria, bem como aos seus irmãos, provocando medo, angústia e receio na menor”, acrescenta o acórdão.

Noutra ocasião, o arguido atirou para cima da filha um prato cheio de comida e deu-lhe com a porta do armário na cabeça. Mais tarde, a menor confessou à mãe que o pai já por diversas vezes a tinha agredido, tirou a camisola e mostrou-lhe vários hematomas nos ombros e nas costas.

Na primeira instância, o Tribunal de Vila Real condenou o arguido a quatro anos de prisão efetiva, por dois crimes de violência doméstica. O arguido recorreu para o Tribunal da Relação de Guimarães, negando qualquer agressão e alegando que ele é que foi vítima de violência doméstica.

A Relação deu as agressões como provadas, sublinhando a gravidade da atuação do arguido, com agressões e injúrias reiteradas à mulher e à filha, muitas vezes por “motivo fútil”.

Vinca ainda as ameaças de morte aos filhos e o “tipo muito ordinário” das expressões injuriosas que dirigiu à mulher, “sempre estribadas no ciúme doentio“.

A Relação diz que o arguido é “egocêntrico” e “agiu sempre como um déspota, desprezando os mais elementares valores da vida em sociedade e reagindo com extrema agressividade a qualquer contrariedade, por mais insignificante que fosse”. Sublinha que o arguido “tem a típica personalidade da pessoa que, de um momento para o outro, se descontrola e pode cometer crimes graves”.

Diz ainda que as lesões físicas resultantes da atuação do arguido “têm já alguma relevância, mas nenhuma determinou doença ou traumatismo grave”. Como única atenuante, a Relação apontou a inexistência de antecedentes criminais, embora o arguido tenha passado à situação de reformado da GNR com apenas 40 anos, depois de um processo de violência doméstica  com a ex-mulher.

Tudo isto ponderado, a Relação decidiu baixar a pena de quatro para três anos de prisão efetiva, considerando que esta “não deve ser de tal modo longa que prejudique a própria reinserção social do arguido”.

“Ele e a comunidade têm é de sentir o caráter efetivo da punição, apesar da primariedade penal, e que, daqui para o futuro, o arguido só pode esperar, além da prisão que vai cumprir, mais e maior severidade”, acrescenta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja
132

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)