Faro

Utilizadores de bicicleta e trotinete em Faro lamentam falta de condições

Os utilizadores diários de bicicleta e trotinete de Faro lamentam a falta de condições de segurança na cidade para a circulação destes veículos, agravada por um novo sistema partilhado de trotinetes.

Autarquia anunciou recentemente a construção de 6 quilómetros de faixas cicláveis, mas o plano inicial era de 40

Autor
  • Agência Lusa

Um grupo de utilizadores diários de bicicleta e trotinete, em Faro, lamentou este domingo a falta de condições de segurança na cidade para a circulação destes veículos, agravada pela entrada em funcionamento de um sistema partilhado de trotinetes elétricas.

Em fevereiro, Faro tornou-se na segunda cidade portuguesa a implementar um sistema partilhado de trotinetes, depois de Lisboa, e a autarquia prepara-se para lançar ainda este ano um concurso para um sistema público de bicicletas, estando igualmente planeada a construção de uma rede de ciclovias.

Embora aplaudam as medidas, elementos do movimento de cidadãos “Faro a Pedalar” disseram à Lusa considerar que não estão reunidas as condições de segurança para a coexistência dos vários meios de transporte e lamentam que o Plano de Mobilidade e Transportes, aprovado no ano passado, esteja a ser executado “pela ordem inversa”.

Joana Martins, empresária residente em Faro e que se desloca diariamente de bicicleta, alega que uma das primeiras medidas a implementar deveria ter sido a construção de ciclovias, bem como a introdução de medidas de acalmia de tráfego e a colocação de sinalização, intervenções planeadas, mas que ainda não foram executadas.

Autarquia anuncia 6 quilómetros de faixas cicláveis, mas o plano inicial era de 40

Em 11 de fevereiro, no dia em que foi apresentada publicamente a rede partilhada de trotinetes, a Câmara de Faro anunciou a construção de seis quilómetros de novas faixas cicláveis e a remodelação de outras já antigas, mas o plano inicial, cuja proposta foi apresentada há dois anos, prevê 40 quilómetros de ciclovias.

Ricardo Martins faz todos os dias seis quilómetros de trotinete entre casa e o trabalho, mas teve de começar a usar o passeio, pelo desconforto e o perigo que sente em andar nas estradas de alcatrão ou de paralelepípedos, devido à irregularidade e mau estado do asfalto.

“Há zonas em que o trânsito é lento e aí consigo andar na estrada, o problema é o estado das vias”, conta o engenheiro, confessando que já apanhou “alguns sustos” e que só se sente verdadeiramente seguro quando utiliza o passeio, o que também requer “alguma habituação”.

Tal como os outros membros do grupo, Joana Magalhães viveu fora do país e quando voltou para Faro quis continuar a usar a bicicleta como meio de transporte diário, mas lamenta que a estrutura “não tenha sido bem pensada” na capital algarvia, o que se repercute, também, no número insuficiente de lugares de estacionamento para bicicletas.

“Primeiro têm de se arranjar as condições: estacionamento, sinalização. Não são só as vias”, defende a médica, argumentando que, para haver uma alteração de comportamentos relativamente ao uso do automóvel, é preciso haver uma “discriminação positiva” para quem usa outros meios de transporte, o que não se verifica.

Humberto Glória critica o facto de o modelo de aluguer das trotinetes não ser inclusivo – por só poder ser feito através de uma aplicação para dispositivos móveis -, além de o preço também não ser apelativo: o desbloqueio custa 1 euro e cada minuto 15 cêntimos, o que significa que uma hora equivale a 10 euros.

“Usa-se esta medida como uma bandeira para combater o uso do carro na cidade, mas essa não é a realidade em que vivemos. Com o custo que tem, não vai ser benéfico para o dia-a-dia das pessoas, que vão preferir andar a pé a gastar 10 euros por hora”, ilustra o engenheiro.

A somar à quase inexistência de ciclovias ou faixas de circulação em perímetro urbano e à deterioração das poucas existentes, os elementos do grupo criticam a desorganização na cidade causada pelas trotinetes, considerando que “dá má imagem à cidade” ver os veículos abandonados ou caídos nas ruas.

Em declarações à Lusa, o presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau (PSD), disse que o município está a acompanhar eventuais problemas que possam decorrer da atividade, lembrando que se trata de “um negócio 100% privado”, que não foi desenvolvido pela autarquia.

“Não há neste momento nenhum município com regulamentação própria para este tipo de atividades, no futuro provavelmente iremos fazer alguma regulamentação sobre a matéria”, declarou, lembrando que isso se aplica não só às trotinetes, como aos tuk-tuk que circulam na cidade.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)