Instalada a cerca de 40 quilómetros a noroeste de Moscovo, a primeira fábrica da Mercedes na Rússia foi inaugurada com a devida pompa e circunstância. E com a presença de Vladimir Putin, o Presidente russo que, como qualquer outro, é particularmente sensível a investimentos no país que gerem emprego e riqueza, especialmente vindo de um construtor particularmente popular entre a classe dominante russa.

Fruto de 250 milhões de euros de investimento, o que criou mais de 1.000 empregos directos, a que urge adicionar os postos de trabalho indirectos, a Mercedes deu o pontapé de saída à fábrica de Moscovia. Os principais representantes da Daimler estiveram presentes, a começar por Dieter Zetsche, o CEO do grupo alemão, com o lado russo a fazer-se representar por Putin, acompanhado pelo ministro do Comércio Denis Manturov e o governador de Moscovo, Andrej Vorobjov.

Numa área com 850.000 m2, as primeiras instalações fabris da Mercedes na Rússia foram construídas em dois anos, sendo apenas as mais recentes num total de 30, distribuídas por vários países. Esta, a de Moscovia, vai produzir o Classe E, além dos SUV GLC, GLE e GLS, ou seja, prioritariamente veículos mais virados para o todo-o-terreno, provando que, pelo menos neste tema, os condutores russos estão alinhados pelos hábitos dos seus congéneres europeus, americanos e chineses.