Rádio Observador

Futebol

Wolverhampton perde com o Watford e falha final da Taça de Inglaterra

O Wolverhampton de Nuno Espírito Santo e companhia esteve a vencer por dois mas perdeu com o Watford (3-2), que vai disputar a final da Taça de Inglaterra com o Manchester City de Bernardo Silva.

A equipa de João Moutinho ficou muito perto de marcar presença na final da Taça

Getty Images

Depois de o Manchester City vencer o Brighton na primeira meia-final com um golo solitário de Gabriel Jesus, era tempo de o Wolverhampton de Nuno Espírito Santo e restante armada portuguesa lutar pela segunda e última vaga na final da Taça de Inglaterra contra o Watford. Sem Rui Patrício na baliza, já que o treinador português aproveitou o encontro da Taça para fazer descansar o guarda-redes ex-Sporting, o Wolves atacava com Rúben Neves, João Moutinho e Diogo Jota no onze inicial.

As estatísticas estavam a favor da equipa mais portuguesa da Premier League: os Wolves venceram os últimos seis jogos em Wembley e só o Tottenham e o Arsenal têm um período vitorioso tão longo no estádio nacional inglês. No Campeonato, Wolverhampton e Watford estão separados por apenas um ponto, com vantagem para os foxes, mas na meia-final da Taça de Inglaterra encontravam-se de igual para igual. Se a equipa de Nuno Espírito Santo subiu ao principal escalão inglês esta temporada e não conquista um título relevante desde 1980, ano em que venceu a Taça da Liga (exceção feita aos recentes primeiros lugares na Segunda e na Terceira Liga), o conjunto orientado por Javi Gracia nunca ganhou uma das principais competições e só registou vitórias na Segunda, Terceira e Quarta Liga de Inglaterra.

O Wolves colocou-se em vantagem ainda na primeira parte, aos 36 minutos, com um grande cruzamento de Diogo Jota a partir da direita a encontrar a cabeça de Matt Doherty ao segundo poste. O Watford procurou o empate, principalmente por intermédio do capitão Troy Deeney, mas o Wolves conseguiu permanecer quase sempre por cima do jogo e levar a vantagem para o intervalo.

Na segunda parte, Raúl Jiménez — que esta semana rendeu 41 milhões de euros ao Benfica, já que o Wolves decidiu acionar a opção de compra do avançado mexicano — aumentou a vantagem ao passar do minuto 60, com uma grande finalização de pontapé de moinho após dominar um cruzamento de Doherty com o peito. Na celebração, Jiménez colocou uma máscara com o emblema do Wolverhampton e os adeptos do clube de Nuno Espírito Santo já começavam a comemorar a presença na final da Taça de Inglaterra nas bancadas de Wembley.

Comemorações que foram interrompidas até ao minuto 90. Deulofeu reduziu a desvantagem do Watford aos 79 minutos e o capitão Troy Deeney levou tudo para prolongamento ao converter uma grande penalidade — que ele próprio sofreu — no quarto minuto de descontos. O Wolves esteve a ganhar por dois até perto dos 80 minutos mas deixou a vantagem fugir. Já na primeira parte do prolongamento, Deulofeu bisou e o Watford segurou o resultado até ao fim dos 120 minutos, carimbando o passaporte para a final da Taça de Inglaterra.

O Wolverhampton — que, é sempre preciso recordar, subiu à Premier League esta temporada — esteve a ganhar por dois mas falhou a ida à final da Taça de Inglaterra. Dia 18 de maio, em Wembley, a Taça ficará decidida entre o Watford e o Manchester City de Bernardo Silva.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)