A administração do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, face ao pré-aviso de greve do sindicato CENA-STE para os próximos dias 27 e 28, afirma que “tudo fará no sentido de reverter esta situação”.

Num comunicado esta segunda-feira enviado à comunicação social, lê-se que o conselho de administração do CCB “tudo fará no sentido de reverter esta situação, defendendo sempre o interesse do público”.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos (CENA/STE), o conselho de administração “nunca demonstrou abertura para este diálogo”, acrescentando que os trabalhadores “mantêm a disponibilidade total para, até aos Dias da Música” chegarem a “um plano de resposta às suas reivindicações”.

Os dias de greve previstos coincidem com os dois dias com o maior número de concertos do festival Dias da Música em Belém, que se realiza de 25 a 28 de abril, e entre os quais se encontra anunciada a estreia de “Rei Lear”, uma adaptação para cena do compositor Alexandre Delgado e da encenadora Sara Barros Leitão, a única encomenda do certame.

O pré-aviso foi enviado à administração na passada sexta-feira, disse à agência Lusa André Albuquerque, do CENA/STE, e decidido em plenário, no qual os trabalhadores do CCB reclamaram aumentos salariais imediatos, já que a administração “não tem mostrado abertura necessária para negociar”, desde que, em março de 2018, “lhe foi apresentado o último caderno reivindicativo”.

A avaliação e reformulação da tabela salarial e do plano de carreira, a negociação do Acordo de Empresa, que permita uniformizar regras e procedimentos dentro da Fundação CCB e garantir direitos e deveres laborais e patronais, assim como a contratação de mais trabalhadores, “para fazer face às necessidades reais da Fundação e para diminuir a carga de trabalho suplementar dos atuais trabalhadores”, são outras reclamações.

Para o CENA/STE, a “complexidade” das matérias em causa desde que foi apresentado o caderno reivindicativo “seria necessário iniciar um processo de negociação sério e atempado de modo a garantir a tomada de medidas para solucionar os problemas laborais de forma progressiva e com acordo entre as partes”.

A administração em comunicado enviado ao final da tarde afirma: “O conselho de administração da Fundação CCB afirma publicamente estar consciente das consequências lesivas desta posição para a imagem do CCB e da Fundação, quanto ao cumprimento da sua missão de serviço público cultural, mas também para a gestão dos seus recursos financeiros e, inclusivamente, para todos os seus colaboradores que de forma empenhada e entusiasta têm construído os Dias da Música, transformando-o num verdadeiro acontecimento cultural, de referência nacional ao longo de uma década”.