Rádio Observador

Centro Cultural De Belém

Administração do CCB “tudo fará no sentido de reverter” a situação de greve

Os dias de greve previstos coincidem com o festival Dias da Música. Administração garante que "tudo fará no sentido de reverter esta situação, defendendo sempre o interesse do público".

Sindicato CENA-STE fez pré-aviso de greve para os dias 27 e 28 de abril

Autor
  • Agência Lusa

A administração do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, face ao pré-aviso de greve do sindicato CENA-STE para os próximos dias 27 e 28, afirma que “tudo fará no sentido de reverter esta situação”.

Num comunicado esta segunda-feira enviado à comunicação social, lê-se que o conselho de administração do CCB “tudo fará no sentido de reverter esta situação, defendendo sempre o interesse do público”.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos (CENA/STE), o conselho de administração “nunca demonstrou abertura para este diálogo”, acrescentando que os trabalhadores “mantêm a disponibilidade total para, até aos Dias da Música” chegarem a “um plano de resposta às suas reivindicações”.

Os dias de greve previstos coincidem com os dois dias com o maior número de concertos do festival Dias da Música em Belém, que se realiza de 25 a 28 de abril, e entre os quais se encontra anunciada a estreia de “Rei Lear”, uma adaptação para cena do compositor Alexandre Delgado e da encenadora Sara Barros Leitão, a única encomenda do certame.

O pré-aviso foi enviado à administração na passada sexta-feira, disse à agência Lusa André Albuquerque, do CENA/STE, e decidido em plenário, no qual os trabalhadores do CCB reclamaram aumentos salariais imediatos, já que a administração “não tem mostrado abertura necessária para negociar”, desde que, em março de 2018, “lhe foi apresentado o último caderno reivindicativo”.

A avaliação e reformulação da tabela salarial e do plano de carreira, a negociação do Acordo de Empresa, que permita uniformizar regras e procedimentos dentro da Fundação CCB e garantir direitos e deveres laborais e patronais, assim como a contratação de mais trabalhadores, “para fazer face às necessidades reais da Fundação e para diminuir a carga de trabalho suplementar dos atuais trabalhadores”, são outras reclamações.

Para o CENA/STE, a “complexidade” das matérias em causa desde que foi apresentado o caderno reivindicativo “seria necessário iniciar um processo de negociação sério e atempado de modo a garantir a tomada de medidas para solucionar os problemas laborais de forma progressiva e com acordo entre as partes”.

A administração em comunicado enviado ao final da tarde afirma: “O conselho de administração da Fundação CCB afirma publicamente estar consciente das consequências lesivas desta posição para a imagem do CCB e da Fundação, quanto ao cumprimento da sua missão de serviço público cultural, mas também para a gestão dos seus recursos financeiros e, inclusivamente, para todos os seus colaboradores que de forma empenhada e entusiasta têm construído os Dias da Música, transformando-o num verdadeiro acontecimento cultural, de referência nacional ao longo de uma década”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)