Rádio Observador

Centro Cultural De Belém

Dias da Música regressam sob o signo de Shakespeare e estreiam versão de “Rei Lear”

A estreia de "Rei Lear", numa adaptação para cena do compositor Alexandre Delgado e da encenadora Sara Barros Leitão, constitui uma encomenda do festival e destaca-se na programação.

Festival conta com 40 concertos e 'masterclasses' direcionados para a obra de William Shakespeare

LUSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O festival Dias da Música, que acontece nos dias 25 a 28 de abril, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, contará com mais de 40 concertos e ‘masterclasses’ direcionados para a obra de William Shakespeare.

A estreia de “Rei Lear”, numa adaptação para cena do compositor Alexandre Delgado e da encenadora Sara Barros Leitão, a partir da tradução de Álvaro Cunhal, constitui uma encomenda do festival e destaca-se na programação já disponível no site do Centro Cultural de Belém (CCB).

As cantoras Ana Quintans, Elisabete Matos e Maria João, os tenores Ian Bostridge, com o pianista Julius Drake, e Marco Beasley, com Stefano Rocco e Fabio Accurso, os pianistas Artur Pizarro, António Rosado e Filipe Pinto-Ribeiro, com o DSCH – Schostakovich Ensemble, os Tallis Scholars e Peter Philips, Nuno Côrte-Real e o Ensemble Darcos, Os Músicos do Tejo e Marcos Magalhães, as formações Sete Lágrimas, La Paix du Parnasse e Divino Sospiro, a Orquestra XXI, a Orquestra de Câmara Portuguesa, a Sinfónica Metropolitana e a Sinfónica Portuguesa, assim como a Orquestra do Festival destacam-se entre os intérpretes.

A programação arranca no dia 25 de abril com o Festival Jovem e a atuação de Os Violinhos, jovens músicos entre os seis e os 16 anos, que apresentam “um programa variado e divertido para ouvintes de todas as idades”, adiantou a organização.

No mesmo dia, a Escola Artística de Música do Conservatório Nacional apresenta “Vénus e Adónis”, de John Blow, e a Orquestra do Festival – constituída por alunos de três orquestras sinfónicas juvenis: a OJ.COM, a Orquestra Sinfónica Ensemble e a Orquestra Sinfónica APROARTE – encerra o dia com “Sonho de uma Noite de Verão”, op. 61, de Felix Mendelssohn.

No segundo dia, o Grande Auditório será o palco para o Concerto Inaugural – “Uma Invocação de Shakespeare” – pela Orquestra Sinfónica Metropolitana, com o Coro Ricercare e o Coro do DeCA, da Universidade de Aveiro.

Os dois últimos dias – 27 e 28 de abril – concentram o maior número de concertos (28), dos cerca de 40 anunciados. O dia 27 de abril conta com atuações da Orquestra de Câmara Portuguesa (“Shakespeare no Romantismo”), da Orquestra XXI e do Coro de Lisboa Cantat (“Romeu e Julieta”) e de Francesco Tristano (“Tristano Midsummer Night’s Dream”, para piano e eletrónica), no Grande Auditório.

O Pequeno Auditório recebe, no mesmo dia, a estreia mundial de “Rei Lear- A Partir da Tragédia de William Shakespeare”, uma encomenda do festival com música de Alexandre Delgado e encenação de Sara Barros Leitão, que conta com interpretações de Carlos Guilherme, Paulo Calatré, Diana Sá, Teresa Arcanjo, Rodrigo Santos e da própria Sara Barros Leitão, com o Toy Ensemble, quinteto de violoncelo, oboé, clarinete, trompa e piano, composto por Jed Barahal, Pedro Teixeira, Tiago Bento, Dário Ribeiro e Christina Margotto.

Esta versão, segundo a encenadora, vai além dos motivos bélicos e da lógica patriarcal para se fixar nas relações de pais e filhos, de velhos e novos, na “solidão e a ambição sem coração”. “Interessa-nos a lealdade ou o amor incondicional de um homem por outro”, lê-se na apresentação da obra, assinada pela encenadora.

Neste dia, o Pequeno Auditório também recebe a versão de “A Tempestade”, de Henry Purcell, pela orquestra Divino Sospiro, e as canções de John Dowland, na leitura do compositor e regente Nuno Côrte-Real, no programa “Time Stands Still”, pelo Ensemble Darcos.

The Tallis Scholars vão à sala Luís de Freitas Branco apresentar dois programas – “Música do Tempo de Shakespeare” e “Faire is The Heaven” -, sempre inspirados no ‘Bardo’, à semelhança de Marco Beasley, que interpretará Dowland, Saracini, Caccini e Turlough O’Carolan, entre outros compositores.

Na sala Almada Negreiros, Maria João e o projeto OGRE cantam Shakespeare, com música original de João Farinha, antes de Filipe-Pinto Ribeiro, com o DSCH – Schostakovich Ensemble interpretar obras de Korngold, sobre o poeta inglês.

No último dia, o Grande Auditório contará com “The Fairy Queen”, de Purcell, uma ‘semiópera’ derivada da peça de Shakespeare “Sonho de uma Noite de Verão”, com a soprano Ana Quintans e o ensemble La Paix du Parnasse, com direção musical de António Carrilho. Ainda no Grande Auditório, a Orquestra Sinfónica Metropolitana interpretará “Os Macbeth”, nas visões de Verdi e Richard Strauss.

No Pequeno Auditório atuam Os Músicos do Tejo, com “To play or not to play” – canções de Gibbons, Lawes, Byrd, Dowland, Purcell, Niles, Johnson, Locke e tradicionais, sobre textos de William Shakespeare – e a dupla Ian Bostridge (tenor) e Julius Drake (piano), com “Shakespeare Songs”, de Purcell a Tippett, Finzi e Korngold.

Dowland e Hume protagonizam o programa dos Sete Lágrimas e do Coro Ricercare, em “The World’s mine oyster”, enquanto Artur Pizarro e António Rosado apresentam o programa “Shakespeare no século XIX”, com Liszt, Tchaikovsky e Berlioz, e a comédia “Muito barulho por nada” inspira a proposta do Doppio Ensemble, com Korngold e Prokofiev.

O concerto de encerramento, no Grande Auditório, pela Orquestra Sinfónica Portuguesa e o Coro do Teatro Nacional de São Carlos, sob o lema “O Doce Poder da Música”, procura celebrar “todo um festival onde se tenta explorar ao máximo as muitas relações entre o génio de Shakespeare e a Música”, explicou a organização. O programa inclui obras de Wagner, Gounod, Bellini, Prokofiev e Ambroise Thomas.

Os Dias da Música integram ainda ‘masterclasses’, por artistas portugueses e estrangeiros que atuam no festival, como António Carrilho, Marcel Beekman, Paulo Ferreira, Francesco Tristano, Artur Pizarro, Marco Beasley, Maria João, Sofia Diniz e Elisabete Matos.

Para os mais novos, “Fábrica das Artes- Para todas as infâncias” estará ativa nos dias 27 e 28 de abril, com os espetáculos “E comparar-te a um dia de verão- música no tempo de Shakespeare” e “O colinho da rainha”, um concerto para bebés.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)